Navigation

A Suíça é realmente neutra?

Suíça quer um papel de liderança na reconstrução da Ucrânia

O ministro Ignazio Cassis durante o Fórum Econômico Mundial 2022 em Davos. © Keystone / Laurent Gillieron

A Suíça realiza no início de julho uma grande conferência internacional voltada à reconstrução da Ucrânia. Enquanto agenda e lista de participantes se concretizam, os esforços se concentram em torno da coordenação internacional do encontro.

Este conteúdo foi publicado em 01. junho 2022 - 17:00

A cooperação com a Ucrânia ocorreu através de encontros regulares organizados muito antes da guerra. O objetivo inicial era ter mais uma reunião em Lugano em julho. Porém Ignazio Cassis, ministro suíço das Relações Exteriores (EDA, na sigla em alemão) e atual presidente da Confederação Helvética, teve a ideia de transformá-la em uma conferência internacional para reconstrução do país em guerra.

Selenski, Macron, Johnson, UNO

Segundo Cassis, a Suíça convidou 41 países e 19 organizações internacionais, incluindo o Banco Mundial e a ONU. O ministro fala em uma "conferência importante com participantes de nível ministerial, ou seja, ministros, primeiros-ministros ou presidentes". O presidente ucraniano Volodimir Selensky e o primeiro-ministro Denys Shmyhal já teriam aceito participar - fisicamente ou virtualmente - como explicou o chefe do EDA ao canal público de televisão SRF.

Cassim também convidou pessoalmente Boris Johnson. O primeiro-ministro britânico não confirmou se viria pessoalmente ou enviaria uma delegação para representá-lo. Segundo a mídia, o presidente francês Emmanuel Macron também foi convidado. 

"Os desafios da reconstrução são enormes", declara o presidente suíço. De fato, a reconstrução da Ucrânia não precisa apenas de recursos imensuráveis. Porém muitos países não apoiam a ideia de utilizar o dinheiro confiscado de oligarcas e do Estado russo.

Relações tensas

Alguns analistas consideram que a conferência poderia perturbar as relações entre a Suíça e a União Europeia (UE). Com sua ideia, o país alpino entra na seara que a UE reivindica para si própria. No Fórum Econômico Mundial (WEF) em Davos, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, deixou claro sua opinião acerca os diferentes papeis. "A UE tem um interesse estratégico em assumir a liderança na reconstrução da Ucrânia", disse ela.

Por isso ainda não fica claro até que ponto a iniciativa da Cassis está sendo coordenada com a UE. Para o presidente da Confederação, trata-se apenas de uma proposta que serve de "pontapé inicial de um plano de reconstrução para a Ucrânia". 

Quem participa

Assim como a Suíça, também a Comissão Europeia quer oferecer uma plataforma para a reconstrução da Ucrânia. Instituições multilaterais como o Fundo Monetário Internacional (FMI) ou o Banco Mundial também devem participar do encontro proposto por ela. Todavia, são as mesmas organizações convidadas por Cassis para vir à Lugano. "Temos que decidir quem se sentará ao lado da Ucrânia", afirmou Cassis à SRF. 

© Keystone / Laurent Gillieron

Questão do financiamento

Embora já haja debates concretos na UE sobre os doadores, Cassis evita levantar a questão do financiamento. Por enquanto as somas são só simbólicas. "Quanto a Suíça vai pagar", perguntou a o jornalista a Ignazio Cassis. Sua resposta: "Não se trata de dinheiro, mas sim de estabelecer um processo".

Já o site da conferência de reconstrução da Ucrânia traz uma mensagem clara: "Suíça e Ucrânia solicitam a mobilização de fundos para a implementação do programa de reconstrução".

Keystone / Laurence Figà-talamanca

"Todos os países podem prometer dar algo, mas será um gesto simbólico", diz o chefe do EDA, deixando em aberto as somas concretas que a Suíça estaria disposta a ceder. "O maior cheque que entregamos é a organização desta conferência".

O financiamento se tornará uma questão inevitável e entrará na agenda dos debates. Afinal, o primeiro-ministro da Ucrânia, Denys Shmygal, já avalia em 600 bilhões de dólares as necessidades financeiras do país. Outros, segundo Cassis, chegam a casa do trilhão.

O próprio Selenski também é o primeiro a mencionar a questão. "Precisamos de um plano estratégico de apoio internacional, uma versão moderna do Plano Marshall, ou seja, dinheiro, tecnologia, especialistas e oportunidades de crescimento", declarou no início de maio.

A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, também falou de uma necessidade "comparável ao plano econômico que ajudou reconstruir a Europa após II Guerra Mundial". 

Não há consenso em confisco

Também é provável voltar à ideias já discutidas. Selenski apresentou um modelo pelo qual países, cidades ou empresas assumiriam individualmente o patrocínio de cidades ou indústrias na Ucrânia. O presidente ucraniano também sugeriu utilizar ativos russos congelados para este fim como centenas de bilhões de reservas de divisas confiscadas e ativos bloqueados dos oligarcas russos. 

Um plano controverso do ponto de vista político. Para o presidente americano Joe Biden e Ursula von der Leyen, presidente da UE, defendem, mas estão cientes das armadilhas legais que tais expropriações acarretariam. Cassis foi perguntado por jornalistas no WEF em Davos sobre a posição da Suíça sobre o assunto, mas foi vago na resposta: "Esta é uma pergunta global. A Suíça dará sua resposta no momento apropriado."

Adaptação: Alexander Thoele

Conteúdo externo
Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?