Navigation

Que perspectivas tem a pesquisa suíça na Europa?

© Keystone / Gaetan Bally

O fim das negociações sobre o acordo-quadro entre a União Europeia e a Suíça excluiu o país alpino de programas cruciais de pesquisa. O governo suíço reagiu com subsídios temporários para cientistas e startups, e está concluindo novas parcerias com países fora da UE. Será que essas medidas serão suficientes? Analisamos suas repercussões e o que está em jogo para a Suíça no longo prazo.

Este conteúdo foi publicado em 11. abril 2022 - 11:00
Emiliano Feresin

Charlotte Laufkötter tinha acabado de iniciar seus estudos na universidade quando os pesquisadores suíços receberam o primeiro financiamento da União Europeia (UE) em 2004.

Agora, quase duas décadas depois, a UE limitou severamente o acesso da Suíça ao Horizon Europe, o maior programa de financiamento internacional, tornando Laufkötter uma das últimas cientistas a se beneficiarem dele.

Laufkötter, uma cientista da Universidade de Berna, recebeu a prestigiosa Starting Grant do Conselho Europeu de Pesquisa (CEP) em janeiro deste ano. A subvenção de 1,5 milhões de euros a ajudará a usar supercomputadores e dados de boias autônomas para simular como o carbono orgânico se precipita no oceano profundo; um importante objeto de pesquisa no contexto da mudança climática.

Quando Laufkötter solicitou a bolsa no início de 2021, a Suíça contava com a participação na Horizon Europe para financiar a pesquisa. O parlamento suíço já havia aprovado uma contribuição de cerca de cinco bilhões de francos para o programa de 100 bilhões que vai até 2027.

Mas as coisas mudaram abruptamente em maio de 2021. Após sete anos de negociações, a Suíça se retirou das conversações com a UE para renovar dezenas de acordos bilaterais sobre questões como migração e comércio. Como resultado, a Comissão Europeia decidiu rebaixar a Suíça para o status de país terceiro não associado ao programa Horizon Europe pouco tempo depois.

Sob o novo status, os pesquisadores na Suíça foram impedidos de solicitar subsídios individuais do CEP. A Comissão Europeia fez uma exceção para pesquisadores que apresentaram suas solicitações na Suíça antes da paralisação das negociações. Estes poderiam manter suas bolsas se se transferissem para uma instituição anfitriã em um país da UE ou em outro país elegívelLink externo. Uma acirrada competição por mentes brilhantes se seguiu. Como muitos outros, Laufkötter foi abordada por universidades da UE que ofereciam assistência à infância, carreira dupla para parceiros e posições permanentes. O Conselho Sueco de Pesquisa chegou ao ponto de oferecer aos premiados um adicional de 100 mil francosLink externo para se mudarem da Suíça para a Suécia.

Laufkötter achou as ofertas estrangeiras tentadoras, mas excluiu a possibilidade de mudança. "Meu projeto foi concebido para ser realizado na Universidade de Berna, meu parceiro também mora na Suíça, por isso fiquei muito feliz por ter a opção de obter financiamento de reserva", diz ela. A Secretaria de Estado para Educação, Pesquisa e Inovação da Suíça (SERI) ofereceu financiamento equivalente aos vencedores de bolsas da CEP que optaram por ficar na Suíça.

Importância das bolsas da UE

Como país associado, pesquisadores individuais e empresas na Suíça poderiam solicitar financiamento da UE, e grupos de pesquisa poderiam participar e até mesmo liderar projetos em toda a Europa. A participação foi recompensada. A Suíça ganhou mais do que contribuiu, de acordo com um relatório da SERI de 2019Link externo. Sob o programa Horizon 2020, que funcionou de 2014 a 2020, a Suíça recebeu 2,7 bilhões em financiamento, colocando-a em primeiro lugar entre os países associados e em oitavo lugar no total.

Conteúdo externo

Horizon 2020 foi a segunda mais importante fonte pública de financiamento para pesquisadores suíços (depois da Fundação Nacional de Ciências da Suíça, SNSF), e a mais importante para startups e empresas. Somente em 2020, 17 empresas suíças receberam até 2,5 milhões de euros cadaLink externo.

Em nível individual, o CEP já financiou mais de 800 pesquisadores na SuíçaLink externo. "A vantagem de uma subvenção ERC é que ela é muito conhecida e muito prestigiosa", diz Laufkötter. A bolsa é conhecida por sua grande concorrência e por seu rigoroso processo de seleção, de modo que ela pode catapultar carreiras no meio acadêmico. É por isso que Laufkötter ainda listará a dela como um "distintivo honorífico" em seu CV.

As medidas emergenciais da SERI parecem ter mitigado os danos. Até agora, apenas um premiado deixou a Suíça para manter a Bolsa inicial. Em março deste ano, a SERI também ofereceu aos 26 beneficiários da última bolsa Consolidator da CEP para substituir o financiamento perdido. O subsídio ajuda os cientistas mais experientes a consolidar suas pesquisas e sua equipe.

A SNSF criou réplicas completas das concessões do CEP em nível nacional. Mas, a longo prazo, as versões suíças podem ser menos atraentes, segundo pesquisadores contatados pela SWI swissinfo. Mais de 50% dos pesquisadores na SuíçaLink externo vêm do exterior, e as bolsas ERC foram uma ferramenta importante para atrair esses talentos. "Sem acesso à Horizon Europe, está se tornando um desafio apelar para mentes brilhantes e manter a alta qualidade da pesquisa dentro da Suíça", diz Yves Flückiger, reitor da Universidade de Genebra e presidente da Swiss Universities, a organização setorial das instituições de ensino superior. "Temos que reinventar novas formas de colaboração e novos padrões de financiamento", acrescenta ele.

Para compensar a perda do financiamento da UE, o Conselho Federal adotou medidas transitórias e está lançando o programa "Swiss Accelerator" através da agência suíça de inovação Innosuisse este mês. No entanto, cientistas e empresários disseram à swissinfo.ch que algumas empresas iniciantes já estão considerando abrir escritórios em outros países europeus.

Procura-se cooperações quânticas

Além de bolsas para indivíduos e empresas, as colaborações internacionais têm sido outra pedra angular da participação da Suíça em programas da UE. Sob Horizon 2020, instituições de pesquisa, empresas e organizações sem fins lucrativos suíças coordenaram 1.211 projetos (cerca de 4% do total) e obtiveram a maior taxa de sucesso geral, de acordo com a SERLink externoI.      

Conteúdo externo

Isto deverá mudar. Sob o status de "país terceiro", os grupos e empresas de pesquisa suíços ainda podem participar de projetos em toda a UE, mas não podem mais liderá-los. "Por causa disso, perderemos visibilidade, prestígio e a capacidade de influenciar grandes projetos", diz Dimitri Konstantas, da Universidade de Genebra. Ele coordena o H2020 AVENUE, um projeto de CHF 22 milhões que testa veículos autônomos para transporte público em Genebra e em três outras cidades europeias.

A Suíça está perdendo oportunidades agora em pesquisas cruciais, por exemplo, no campo das tecnologias quânticas. A UE lançou a iniciativa Quantum FlagshipLink externo em 2018, com um orçamento de 1 bilhão de euros e o objetivo de desenvolver a computação quântica, a transmissão segura de dados e a tecnologia de sensores. Os parceiros suíços estiveram envolvidos em 11 dos 24 projetos colaborativos do Flagship, incluindo muitas startups e empresas. "Nossa colaboração termina este mês. Como a tecnologia quântica é de importância estratégica para a UE, não podemos sequer participar com nosso próprio dinheiro. Estamos completamente excluídos", diz Andreas Wallraff da Escola Politécnica Federal de Zurique (ETH).

O grupo de pesquisa de Wallraff estava trabalhando com a empresa suíça Zurich Instruments e oito parceiros europeus em um computador quântico supercondutor. À medida que a pesquisa caminha para os limites técnicos dos computadores convencionais, a computação quântica promete resolver problemas complexos nas próximas décadas, como o desenvolvimento de novos medicamentos ou baterias mais eficientes.

Muitos países do mundo já possuem programas nacionais para tecnologias quânticas. Só a Alemanha está investindo 2 bilhões de euros neste campo. A Suíça, apesar de ser um grande ator, ainda não tem um programa nacional. "Para acompanhar a concorrência, precisamos investir mais do que antes dentro da Suíça, por exemplo, em grandes projetos como a pesquisa quântica", diz Flückiger nas universidades suíças. Mas ele também adverte que o investimento nacional sozinho pode não ser suficiente: "A ciência é muito mais aberta do que há 30 anos. Como vimos com as vacinas COVID-19, o compartilhamento de dados e a criação de colaborações internacionais é fundamental para os avanços científicos e para a construção de enormes infraestruturas", acrescenta ele.

Alianças para o futuro

Como a cooperação com a Europa está prejudicada, a Suíça pretende revitalizar alianças estratégicas com países fora da EU, sendo que representantes da SERI e da SNSF realizaram recentemente reuniões bilaterais com colegas dos EUA, Canadá, Brasil e Reino Unido.

O fortalecimento das redes no exterior certamente não é nada negativo, mas para um país que se encontra na encruzilhada da Europa, os parceiros naturais estão por toda parte, especialmente no contexto do transporte e da mobilidade. "Não poderíamos fazer o projeto AVENUE com outros parceiros", diz Konstantas. "Na Europa compartilhamos uma cultura de mobilidade semelhante que é diferente da dos EUA ou da Ásia; os problemas e as soluções também diferem".

Mais de cinco mil cientistas em toda a Europa estão insistindo na continuidade da cooperação. Eles assinaram a campanha "Stick to scienceLink externo" que apela para acordos de associação rápidos dentro do Horizon Europe tanto para a Suíça quanto para o Reino Unido, apesar das disputas políticas em andamento. A campanha aponta que a Europa precisa do compromisso e das contribuições científicas de países com forte foco em pesquisa de ambos os países.

Mas desde o final das negociações, a relação Suíça-UE tornou-se ainda mais complicada. O Conselho Federal Suíço quer agora renegociar os tratados existentes, começando pelos mais urgentes, incluindo a plena associação da Suíça na pesquisa, que continua sendo um objetivo declarado. As conversações exploratórias com a UE sobre a nova abordagem começaram recentemente. Uma resolução rápida para reintegrar a Suíça no Horizon parece improvável.

Swiss Universities pede que a Suíça volte a se associar ao programa Horizon Europe o mais rápido possível. A economia, a inovação e o setor de pesquisa da Suíça estão em plena expansão, diz Flückiger. Mas, a longo prazo, trata-se de muito mais. "No final, é a qualidade de vida na Suíça que está em jogo: saúde, educação, emprego e progresso em direção ao desenvolvimento sustentável", diz Flückiger.

Adaptação: DvSperling

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?