Navigation

Maioria não aprova proposta de acabar com taxa de rádio e televisão

Segundo a primeira pesquisa de opinião do instituto Gfs.Bern, a iniciativa "No Billag" deverá ser rechaçada nas urnas no plebiscito de 4 de março de 2018. A maioria dos eleitores manifesta ter uma opinião firme sobre a proposta, cuja provação teria por consequência a supressão da taxa que financia o serviço público de mídia do país. 

Este conteúdo foi publicado em 26. janeiro 2018 - 06:00
Os debates públicos sobre a iniciativa "No Billag" atraem o público, como o ocorrido em 17 de janeiro de 2018 em um hotel de Lucerna. Keystone

Realizada a pedido da Sociedade Suíça de Radiodifusão e Televisão (SRG SSRLink externo), da qual faz parte o portal swissinfo.ch, a pesquisa de opinião do instituto Gfs.BernLink externo indica que 60% dos entrevistados votariam "não" e 38% "sim" à iniciativa (n.r.: proposta de emenda à Constituição levada à plebiscito) "Sim para o fim da cobrança da taxa de rádio e televisão (também chamada “No BillagLink externo”, em alusão à empresa que antes fazia a cobrança dos lares).

A menos de um mês antes dos referendosLink externo, a proporção de eleitores indeciso é baixa: 2%. Além disso, 74% dos eleitores declaram estar seguros da sua posição. A formação de opinião é considerada, dessa forma, avançada, o que "limita as possibilidades de uma reviravolta da opinião nas próximas semanas", indicam os pesquisadores.

Fosso político e de gerações

Essa primeira pesquisa permite interpretar a posição dos oponentes e apoiantes da iniciativa. A primeira grande divisão é de orientação política.

O apoio à iniciativa aumenta à medida que os eleitores pendem à direita. Já os simpatizantes do Partido Verde e do Partido Socialista rejeitam a proposta com uma grande maioria: respectivamente 88% e 79%. No espectro político dos partidos de centro, o grupo do "não" é majoritário com 73% para os simpatizantes do Partido Democrata-Cristão e 68%, do Partido Liberal. O grupo mais favorável à iniciativa "No Billag" encontra-se entre os partidários da União Democrática do Centro (UDC, direita conservadora): 66%.

O fosso entre os dois lados não é apenas político, mas também uma questão de gerações. Os jovens eleitores (entre 18 e 30 anos), qualificados pelos pesquisadores de "geração Netflix", representam o único grupo etário favorável à iniciativa: 51%. 

Conteúdo externo

Já entre as diferentes regiões linguísticas da Suíça (alemão, francês, italiano e reto-romano) não existem grandes diferenças de opinião: a iniciativa "No Billag" é rejeitada em todas elas. Porém a rejeição é maior nas regiões de línguas latinas (67% na Suíça francófona e 65% na Suíça italófona) do que na parte germanófona: 57%.

O principal argumento dos defensores da iniciativa é afirmar que a SSR, a empresa pública de rádio e televisão da Suíça, se tornou demasiadamente grande e que deve economizar. Para os adversários, a proposta de suprimir a taxa de rádio e televisão provocará uma redução drástica da oferta de mídia no país.

Impostos continuarão a ser recolhidos

A pesquisa de opinião também mostrou que o Projeto Fiscal 2021Link externo, o novo regime fiscal proposto pelo governo federal e segundo ponto de discussão nos plebiscitos de 4 de março, deverá ser aprovado. Ele é aceito por 69% das pessoas entrevistadas, recusado por 16% e 15% ainda estão indecisos.

O novo regime permitirá à Confederação de recolher impostos por mais 15 anos. O projeto não é combatido por nenhum partido e deverá ser, dessa forma, facilmente aprovado. Os eleitores suíços mostram estar dispostos a continuar a pagar seus impostos federais.

A pesquisa de opinião

Para essa primeira pesquisa, o instituto Gfs.bern questionou um grupo representativo de 1.201 eleitores. As entrevistas foram realizadas por telefone entre 8 e 18 de janeiro.

A pesquisa foi realizada a pedido da Sociedade Suíça de Radiodifusão e Televisão (SRG SSR), da qual faz parte a swissinfo.ch.

A margem de erro foi de +/- 2,9 pontos.

Por razões ligadas à proteção de dados pessoais, os entrevistadores não tiveram acessos aos dados de suíços residentes no exterior.

End of insertion
Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?