Navigation

Guerra da Rússia na Ucrânia destaca fendas políticas na ONU

Conselho de Segurança da ONU em 28 de fevereiro de 2022. Copyright 2022 The Associated Press. All Rights Reserved.

As nações ocidentais permaneceram notavelmente unidas em sua resposta à invasão russa da Ucrânia a 24 de fevereiro. Mas em outras partes do mundo, a guerra pôs em evidência linhas divisórias e mudanças de lealdade entre países, o que poderia ter um impacto mais amplo na política global e nas Nações Unidas, incluindo em Genebra.

Este conteúdo foi publicado em 18. abril 2022 - 11:00

Embora a Europa, os Estados Unidos, o Canadá, a Austrália e o Japão tenham condenado fortemente a guerra da Rússia na Ucrânia, muitas nações não querem realmente tomar partido. A China, aparentemente, é uma delas, juntamente com a Índia, os Estados do Golfo Pérsico e muitos países africanos. Mas confrontados com vários votos da ONU sobre a invasão Russa de seu vizinho (ver quadro abaixo), alguns já mudaram de posição. Os Emirados Árabes Unidos e o Senegal, por exemplo, primeiro abstiveram-se, mas depois votaram a favor da condenação da Rússia. A China e a Índia abstiveram-se de forma uniforme. Os votos da Assembleia Geral da ONU são os únicos em que todos os 193 países membros da ONU podem votar, sem que nenhum Estado tenha poder de veto, como no Conselho de Segurança da ONU.  
Do lado suíço, após alguma hesitação inicial em Berna sobre a tradicional neutralidade da Suíça, o governo aderiu às medidas de sanções contra a Rússia adotadas pela União Europeia.  

Votos da ONU condenando a guerra da Rússia na Ucrânia

Conselho de Segurança da ONU, 25 de fevereiro

Membros: 15, incluindo cinco membros permanentes com direito de veto (EUA, Reino Unido, França, China, Rússia). Membros atuais não permanentes: Albânia, Brasil, Gabão, Gana, Índia, Irlanda, Quénia, México, Noruega, Emirados Árabes Unidos (EAU).

Resultado: Vetado pela Rússia. Onze votaram a favor da resolução. China, Índia e Emirados Árabes Unidos abstiveram-se.

Assembleia Geral da ONU, 2 de março

193 estados membros, sem poderes de veto.

ResultadoLink externo (link inclui quadro de votos completo): Adotado por 141 a favor, cinco contra (Rússia, Bielorrússia, Síria, Coreia do Norte, Eritréia) e 35 abstenções. Doze países não votaram.

Nota: Os EAU votaram a favor desta vez. Mianmar e Afeganistão votaram a favor, mas os seus representantes na ONU pertencem aos antigos governos.

As abstençõesLink externo incluíram a China, Cuba, Índia, Irã, Paquistão, Bangladesh, Sri Lanka, África do Sul, Sudão e Senegal (atual presidente da União Africana). Quarenta e cinco por cento das abstenções foram de Estados africanos.

Conselho de Direitos Humanos da ONU, 4 de março

47 membros

Resultado: Adotado por 32 votos a favor, dois contra (Rússia e Eritreia) e 13 abstenções (Arménia, Bolívia, Camarões, China, Cuba, Gabão, Índia, Cazaquistão, Namíbia, Paquistão, Sudão, Uzbequistão, Venezuela). Nota: Desta vez, o Senegal votou a favor, tal como os EAU.

Conselho de Segurança da ONU, 23 de março

O Conselho de Segurança de 15 membros não adotou uma resoluçãLink externoo introduzida pela Rússia exigindo o acesso humanitário na Ucrânia (mas que não mencionava a agressão russa). Apenas a Rússia e a China votaram a favor, enquanto os outros 13 membros se abstiveram.

Assembleia Geral da ONU, 24 de março

A Assembleia Geral das Nações Unidas de 193 membros adotou por maioria esmagadora uma resolução exigindo proteção de civis e acesso humanitário na Ucrânia. Ela criticou igualmente a Rússia por criar uma situação humanitária "terrível" na sequência da sua invasão. A resolução foi aprovada por 140 votosLink externo, com cinco contra: Rússia, Bielorrússia, Coreia do Norte, Síria e Eritréia, e 38 abstenções (o link inclui a lista completa dos votos).

Assembléia Geral da ONU, 7 de abril

A Assembléia Geral das Nações Unidas suspendeu a Rússia do Conselho de Direitos Humanos da ONU, sediado em Genebra, por causa de relatos de "graves e sistemáticas violações e abusos dos direitos humanos", ao invadir as tropas russas na Ucrânia.

A votação de 7 de abril obteve 93 votos a favor - inclusive da Suíça - enquanto 24 países votaram não e 58 países se abstiveram. Foi necessária uma maioria de dois terços dos membros votantes (as abstenções não contam) para suspender a Rússia do conselho de 47 membros.

End of insertion

Ásia

Embora o Japão tenha apoiado firmemente a posição "ocidental", alguns países na Ásia não o fizeram. A atenção geral tem estado especialmente direcionada à China e à Índia, que se abstiveram nas votações da ONU condenando a invasão russa.

"Dadas as relações da China com a Rússia e as suas relações com o Ocidente, penso que a abstenção da China era de se esperar", diz Gopalan Balachandran, professor de história e política internacional no Instituto de Altos Estudos Internacionais de Genebra. O Presidente chinês Xi Jinping e o Presidente russo Vladimir Putin deixaram claro, numa declaração conjunta a 4 de fevereiro, que concordam em "opor-se a uma maior expansão da OTAN". Antoine Bondaz, investigador da Fondation pour la recherche stratégique (FRS) com sede em Paris, afirma que a China e a Rússia não se veem mutuamente como ameaças "e estão unidas para desacreditar o Ocidente". A China está colocando seus interesses políticos acima dos seus interesses econômicos". Beijing também quer aumentar a sua influência junto aos países em desenvolvimento mais do que no Ocidente, disse ele à SWI swissinfo.ch.

O ministro das relações exteriores da China, Wang Yi, fez uma visita surpresa à Índia no final de março, que fez parte da sua narrativa diplomática, de acordo com Bondaz. "Ela quer mostrar ao mundo que o Ocidente está isolado, e que a Índia está apoiando a China e a Rússia".

A Índia absteve-se de condenar a Rússia na ONU em cinco ocasiões, incluindo no Conselho dos Direitos Humanos em Genebra. "A Índia tem relações muito estreitas com a Rússia e laços estreitos com o Ocidente", diz Balachandran. "Ela obtém muito material militar da Rússia". Por isso, tenta equilibrar os dois abstendo-se, diz ele. 

A Índia também pode estar sendo influenciada pela tentação de colocar as mãos em petróleo russo com desconto à medida que os preços mundiais sobem. E a decisão da maior democracia do mundo de se abster na ONU pode refletir o seu papel histórico no Movimento dos Países Não-Alinhados durante a Guerra Fria. 

Vale também a pena notar que os antigos estados soviéticos da Ásia Central como a Arménia, o Azerbaijão, o Cazaquistão e outros se abstiveram ou não votaram uniformemente nas votações da ONU contra Moscou. Perto da Rússia e economicamente dependentes dela, eles estão nervosos e claramente não querem tomar partido.

África

Na primeira votação da Assembleia Geral da ONU condenando a invasão, Quénia, Gana, Gabão, Ruanda, Djibuti, Congo, Somália e a República Democrática do Congo votaram "Sim". Apenas a ditadura mais dura de África, a Eritreia, votou "Não". Do total de 35 países que se abstiveram, 17 eram africanos e outros oito não votaram. O padrão foi semelhante na segunda votação da Assembleia Geral.

Segundo Thierry VircoulonLink externo, investigador do Instituto Francês de Relações Internacionais (IFRI), há uma série de razões para o elevado nível de abstenções africanas, incluindo a crescente influência da Rússia no continente. Especialmente após a anexação da Crimeia pela Rússia em 2014, que trouxe as primeiras sanções internacionais, Moscou procurou aumentar a sua influência na África, nomeadamente através da venda de armas e da segurança privada em países em conflito como a República Centro-Africana e o Mali. Países do Norte da África como o Egito e a Argélia são também fortemente dependentes das exportações russas de trigo para fins alimentares, juntamente com outros estados clientes, incluindo a Nigéria, África do Sul, Sudão e Tanzânia.

Pode também haver razões históricas, diz Vircoulon. Países como a Argélia, Angola e Etiópia foram associados à URSS durante a Guerra Fria. Outros como a África do Sul, Namíbia, Moçambique e Zimbabwe receberam apoio soviético nas suas lutas de libertação. E depois há o fenômeno do crescente autoritarismo na África, com recentes golpes militares no Sudão, Burkina Faso, Mali e Guiné. Por último, mas não menos importante, há um crescente sentimento anti-europeu (e na África Ocidental particularmente anti-francês) nos países africanos, talvez alimentado pelo movimento "Black Lives Matter" e por exigências de restituição dos crimes coloniaisLink externo.

Oriente Médio e Norte de África

Para os países do Oriente Médio e do Norte de África, é "geralmente difícil falar de uma posição unificada sobre questões internacionais, e especialmente na atual crise, dada a complexidade da questão ucraniana e os importantes desafios geoestratégicos que fazem com que cada país árabe se posicione com grande cautela e tenha em mente principalmente os seus interesses nacionais", diz Mohammad-Mahmoud Ould MohamedouLink externo, professor de história e política internacional no Instituto de Altos Estudos Internacionais de Genebra.

A Síria, cujo regime tem sido apoiado por uma intervenção militar russa, destaca-se por ter estado regularmente do lado da Rússia. Além disso, diz Mohamedou, o que caracteriza as posições destes países é a hesitação em expressar uma posição firme e clara condenando a invasão russa da Ucrânia. Para compreender esta posição, segundo o especialista baseado em Genebra, "temos de voltar ao discurso do Presidente Obama no Cairo" em 2009, que incluía apelos aos estados árabes para normalizarem os laços com Israel e se democratizarem. Os países da região, incluindo os Estados do Golfo, começaram a aproximar-se da Rússia, desejosos de diminuir os seus laços com os EUA. Desde então, os Estados Unidos têm perdido sua influência no Oriente Médio e no Norte de África, diz Mohamedou. "Esta perda de influência é uma constante, o que também foi confirmado durante a presidência de Trump. Muitos destes estados reforçaram, nos últimos anos, as suas relações com a China, Rússia ou Índia", observa ele.

Então, poderá a abordagem "neutra e independente" expressa por estes países trazer um ressurgimento do movimento dos países não alinhados, um movimento da era da Guerra Fria, na cena internacional? "É menos uma abordagem de neutralidade em si do que a escolha de recusar uma escolha", diz Ould Mohamedou. "O não-alinhamento foi muito mais ideológico e foi conduzido por líderes políticos do passado de qualidade diferente dos atuais líderes árabes". No entanto, ele pensa que o conflito na Ucrânia "parece dar um novo impulso ao posicionamento internacional e este é um desenvolvimento interessante, mesmo que ainda esteja na sua infância".

América Latina

Quando se trata da votação da ONU sobre a guerra na Ucrânia, a resposta da América Latina refletiu o "primeiro nível de divisão" na região, diz Jorge Lomonaco, consultor e antigo embaixador mexicano na ONU em Genebra. Países democráticos mais abertos tomaram o lado do Ocidente, enquanto os mais autoritários se inclinam para a Rússia. Assim, a Bolívia, Cuba, El Salvador, Nicarágua, e Venezuela abstiveram-se ou estiveram ausentes. Os restantes moveram-se num só bloco para condenar a invasão russa da Ucrânia.

"Mas se formos além dos votos e olharmos para o copatrocínio de resoluções, as declarações conjuntas condenando a Rússia, ou ainda mais importante se olharmos para as sanções, então vemos um quadro completamente diferente", diz Lomonaco.

Quase nenhum país latino-americano se juntou ao Ocidente na imposição de sanções econômicas contra a Rússia. "Não vamos tomar qualquer tipo de represália econômica porque queremos ter boas relações com todos os governos do mundo", disse o Presidente mexicano Andres Manuel Lopez Obrador a 1 de março.

Poderão os fatores econômicos explicar a posição da América Latina? "Não acredito que seja por razões económicas", diz Lomonaco. "A Nicarágua, Cuba e Venezuela têm fortes laços econômicos com a Rússia, mas o resto da região não tem; os fluxos comerciais e de investimento são irrelevantes na maioria dos casos". Alguns líderes latino-americanos podem sentir nostalgia do comunismo da era soviética, diz ele. Outros podem querer manter as suas opções em aberto se surgir uma nova ordem mundial, talvez sob a liderança da China. E alguns podem querer expressar o seu antiamericanismo.

Quanto tempo manterão a sua posição é uma questão em aberto. "Quanto mais tempo esta guerra durar, mais alto poderá ser o preço que todos terão de pagar pelas suas próprias decisões", diz Lomonaco.

Reportagem adicional de Akiko Uehara, Abdelhafidh Abdeleli, Dorian Burkhalter e Virginie Mangin.

Editado por Imogen Foulkes.

Adaptação: DvSperling

Conteúdo externo
Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?