Navigation

Opinião
Democracia

Direitos políticos não são uma ferramenta para inclusão!

Demi HablützelLink externo preside a ala jovem do Partido do Povo Suíço no cantão Basileia-cidade. Para essa jovem estudante de direito a condição para exercer os direitos políticos é única: o estrangeiro deve se naturalizar antes de poder votar. 

Este conteúdo foi publicado em 05. setembro 2022 - 14:00

A cidadania suíça é obtida por descendência - ou seja, recebemos a cidadania de nossos pais (ius sanguinis, ou princípio da descendência) - ou, mais tarde, através da naturalização. Os direitos políticos são posteriormente vinculados à cidadania. O direito de votar e de se candidatar à eleição torna possível ser (mais) politicamente parte da sociedade em um país (democrático!) com a nacionalidade correspondente. Seja de forma ativa ou passiva.

Nos últimos anos, eventos recentes nos fazem refletir sobre as razões que levaram a crises nacionais, na Europa e no mundo inteiro. Com relação à Suíça: como deve ser estruturada nossa democracia no futuro, e até onde pode-se contar com a participação política para dominar melhor ou mesmo evitar crises - como um país ou como uma equipe - através de estruturas democráticas conjuntas?

É aqui que a inclusão entra em jogo, como uma opção a ser discutida: o "destino" no caminho da integração, para sair da exclusão e separação. Inclusão: um termo que encontramos cada vez mais frequentemente hoje, na política, na sociedade. Inclusão: uma forma de sociedade na qual cada pessoa é uma parte e participa dela sem barreiras. Independentemente de normas e esforços individuais para ser ou tornar-se uma parte valiosa dela.

Série "Inclusão"

A democracia vive sua maior crise desde a II Guerra Mundial e a Guerra Fria.

A longo prazo enfrenta uma tendência de regimes autoritários e autocracias que perdura há 15 anos.

A curto prazo, devido à pandemia de Covid-19 e à invasão da Ucrânia pela Rússia.

A resiliência é um fator-chave para lidar com a crise multidimensional: as democracias devem fortalecidas "de dentro", a fim de serem mais capazes de resistir às ameaças.

Na série, swissinfo.ch se concentra em um princípio de democracia até o momento pouco citado no debate sobre a resiliência: a inclusão.

Apresentamos pessoas que lutam por uma inclusão que engloba também as minorias. E a oposição, que conta com o apoio da maioria.

swissinfo.ch organiza um painel internacional sobre inclusão no Fórum Global da Democracia Moderna Direta 2022Link externo, que ocorre em Lucerna de 21 a 25 de setembro de 2022.

Os suíços e suíças de exterior também foram excluídos por muito tempo, pois só puderam exercer seus direitos políticos a partir de 1992.

End of insertion

Democracia direta como garantia de sucesso

O que soa bastante romântico, do ponto de vista ético-social, tem suas armadilhas. Em vista das crises acima mencionadas, os ativistas pedem uma democracia mais robusta e uma expansão da possibilidade de cada indivíduo participar do processo político. Uma democracia mais robusta? Mais robusta do que a nossa, na Suíça? Como assim?

Uma democracia estável e uma participação direta da população no processo político é, naturalmente, central e uma das razões para as condições paradisíacas que prevalecem aqui no país, em comparação com o resto do mundo. Sem pilares democráticos, muitas coisas não valem nada; estamos familiarizados com as condições em muitos países do mundo, e não precisamos explicá-las aqui.

Em resumo: a Suíça é um modelo de sucesso, e a democracia direta a garantia disso! Ela permite que todos os cidadãos participem das decisões políticas (e consequentemente também econômicas) de curto, médio e longo prazo, para modelar nosso futuro. Isso inclui a perda justa nas votações e eleições, aceitando maiorias. Muitas vezes isso é desesperador, e a irônica "sabedoria" do esporte vem à mente: às vezes você perde, às vezes os outros ganham...

Típica sociedade de migração 

Mas, então: frequentemente vem à tona a demanda da esquerda, de que os estrangeiros que vivem aqui devem ser integrados ao processo político na Suíça (quase) sem obstáculos. E isto já antes da naturalização. Uma melhor integração e, posteriormente a inclusão plena, seria a consequência. A plena participação, independentemente da cultura e nacionalidade, seria então o ápice.

Na Suíça temos uma sociedade típica de migração e, como resultado, um crescimento populacional dinâmico. A imigração, e sobretudo a emigração, fazem parte da vida cotidiana do país.

Como resultado, cerca de um quarto da nossa população residente não pode participar do processo político. A esquerda descreve este status drasticamente: estas pessoas são excluídas de nossa sociedade.

Portanto, é natural o questionamento: existe necessidade do direito de voto para os estrangeiros? O princípio de ius sanguinis é um modelo ultrapassado? Por outro lado, o ius soli - o princípio de conceder a cidadania de acordo com o local de nascimento - estaria muito mais de acordo com a evolução dos tempos?

Na minha opinião, porém, a questão não é se os estrangeiros são excluídos do nosso processo político pelo status quo. Porque sim, eles são. É claro que são.

O maior questionamento é: porque nem todos aproveitam a oportunidade de obter um passaporte suíço após um certo período de tempo, o que já é permitido de acordo com a nossa lei? Se eles realmente quiserem! As opções estão lá, e a maioria delas está sujeita a condições razoáveis. Nem todas, claro. E nestas eu certamente posso imaginar as devidas correções.

Democracia significa, entre outras coisas, que todos têm a mesma chance de afirmar seu direito à autodeterminação, e de participar na formação da comunidade e do Estado.

Merecida recompensa pela integração

Tanto o princípio do ius soli quanto o direito de voto dos estrangeiros, por si só, não garantem uma integração bem-sucedida. A integração é antes de tudo uma questão de vontade própria, de utilizar todos os recursos individuais possíveis no dado "campo de jogo".

Os direitos políticos não devem, portanto, ser um instrumento de integração. Eles devem ser o objetivo alcançado e merecido no final da fase de integração pessoal! O nascimento e o crescimento na Suíça, por outro lado, não manifestam automaticamente uma integração bem-sucedida.

Com o ius soli, a naturalização é automática. Os EUA, por exemplo, introduziram o ius soli para promover a imigração. Mas será que a Suíça quer fazer o mesmo? Nós, que não temos nenhum problema com imigrantes de todo o mundo?

Passar de ius sanguinis para ius soli seria contrário ao objetivo de um controle sensato da política de imigração e naturalização, que sirva aos interesses reais (não subjetivamente ideológicos!) da Suíça.

Voto de estrangeiros não tem chance na democracia direta

Em nível comunitário e cantonal, mas também em nível nacional, a esquerda clama repetidamente pelo direito de voto para os estrangeiros nas urnas. Mesmo que este não tenha nenhuma chance com o povo, e tenha sido claramente alvo de derrota várias vezes.

Qual é então a motivação por trás disso? É supostamente apenas política social? Uma maneira fácil de ganhar eleitores adicionais para a esquerda-verde? Esperando que muitos estrangeiros não integrados não entendam realmente a política da esquerda e sejam seduzidos pelo rótulo "social = amigável aos estrangeiros"?

Porque, objetivamente - como descrito - a Suíça não ganharia nenhuma vantagem com o ius soli! Ou, em outras palavras, de forma diferente e sucinta: Por que uma recompensa antes do desempenho? Por que direitos políticos antes da integração?

Portanto, é óbvio: os direitos políticos concedidos muito cedo não são absolutamente nenhuma garantia de inclusão que sirva à Suíça e às pessoas que nela vivem!

Adaptação: Flávia C. Nepomuceno dos Santos

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?