Navigation

"Uma América Latina instável é a última coisa que o mundo precisa"

As gêmeas de 12 anos posam no telhado de uma casa destruída pelos furacões Eta e Iota em La Reina, Honduras, 2021. Copyright 2021 The Associated Press. All Rights Reserved.

O governo suíço decidiu interromper a cooperação bilateral para o desenvolvimento na América Latina até ao final de 2024. Perguntamos a Ira Amin da ONG suíça Vivamos Mejor o que isto significa para a região, para a qual a organização é totalmente dedicada.

Este conteúdo foi publicado em 09. setembro 2022 - 15:00
Sibilla Bondolfi, com colaboração de Patricia Islas

Vivamos Mejor

Vivamos Mejor é uma organização de auxílio humanitário suíça que trabalha para melhorar as condições de vida na América Latina. A fundação foi fundada em 1981 por um médico e é certificada pela Zewo. Vivamos Mejor presta "ajuda para auto-ajuda" em projetos temporários às comunidades atingidas pela pobreza na Guatemala, Colômbia, Nicarágua e Honduras. A organização prepara crianças pequenas para a escola, ajuda os jovens a darem o salto para a vida profissional e apoia as zonas rurais na gestão sustentável da água, do solo e das florestas.

End of insertion

SWI swissinfo.ch: A retirada da Suíça da América Latina já é perceptível?

Ira Amin: De acordo com as nossas informações, a Agência Suíça para o Desenvolvimento e Cooperação (DEZA na sigla em alemão) continua os contratos em vigor até 2024, por isso é demasiado cedo para dizer alguma coisa sobre o impacto da retirada. 

Ira Amin estudou Relações Internacionais em Genebra. Desde 2018 é responsável pela implementação estratégica do programa da ONG Vivamos Mejor. Anteriormente, ela trabalhou em projetos de desenvolvimento e ajuda humanitária, incluindo no Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (UNHCR, na sigla em inglês) e na Caritas Suíça. Stephan Knecht

Comenta-se já há algum tempo que a Suíça estava tentando passar seus projetos para outros países, ONGs ou organizações internacionais. A Vivamos Mejor pretende agora a assumir os projectos da DEZA?

Não, não estamos a assumir diretamente quaisquer projetos da DEZA relacionados com a retirada.

A Vivamos Mejor é afetada pela retirada da Suíça, ou seja, os projetos terão de ser descontinuados?

Não, os nossos projetos não são afetados pela retirada. Receberemos uma contribuição do programa da DEZA para o período 2021-2024.

Há algum prognóstico para depois desse período?

De acordo com a DEZA, as contribuições do programa são independentes da retirada da cooperação bilateral. Contudo, a candidatura para a fase seguinte do programa (2025-2028) terá início em 2023, por isso ainda é demasiado cedo para fazer quaisquer declarações sobre este assunto.

O que irá acontecer aos projectos da DEZA, quem irá preencher a lacuna?

De acordo com a comunicação que recebemos da DEZA, a sua carteira será assumida pela agência de cooperação espanhola. 

O que diz o Departamento Federal dos Assuntos Estrangeiros

Em resposta a um pedido da swissinfo.ch, o DFAE escreve: "Não há planos para a Espanha assumir a maioria dos projectos da DEZA". Os projetos na América Latina estariam concluídos no final de 2024, como previsto. "Haverá projetos que serão posteriormente transmitidos a parceiros nacionais ou internacionais, dependendo do país, que os continuarão ou os adaptarão de acordo com a sua estratégia".

End of insertion

Então, no geral, a retirada não é assim tão má?

De acordo com a DEZA, a retirada afeta principalmente a cooperação bilateral, pelo menos foi isso que nos foi dito. A cooperação econômica com a Secretaria de Estado dos Assuntos Econômicos Seco permanecerá ativa na América Latina. 

No entanto, lamentamos a decisão da Suíça de se retirar da cooperação bilateral. Porque as necessidades do povo ainda são grandes. A crise da Covid-19 colocou toda a América Latina numa confusão econômica e acabou com dez anos de progresso social. 

Além disso, muitos doadores públicos, tais como municípios e cantões, alinham o seu apoio com as regiões prioritárias da DEZA. Esperamos que outros doadores continuem a concentrar-se na América Latina depois de 2024, mesmo que a DEZA já não esteja lá presente.

A situação geopolítica é difícil neste momento. A retirada chega numa altura inoportuna?

Nós no Vivamos Mejor já nos pronunciamos a favor de permanecer na América Latina numa carta aberta juntamente com outras ONGs em 2019, quando a DEZA anunciou a sua saída da América Latina. Lamentamos a decisão de nos retirarmos, como fazemos agora.

Mas é verdade que as crises globais estão a agravar a situação. As previsões de crescimento para a América Latina após a pandemia de Covid são sombrias. A Comissão Econômica da ONU para a América Latina e Caraíbas prevê uma baixa taxa de crescimento de menos de 3%. Isto é cerca de 2 por cento mais baixo do que antes da pandemia.

A guerra na Ucrânia está a agravar a escassez de alimentos. De acordo com a Rede Global da ONU contra as Crises Alimentares, os países da América Central serão atingidos pela insegurança alimentar aguda nos próximos anos. Todos os nossos países de operação na América Latina esperam uma taxa de inflação mais elevada. Isso significa que o poder de compra da população local será reduzido e que as tensões sociais serão agravadas.

Na Nicarágua, por exemplo, o Banco Mundial espera que a inflação aumente em 6 por cento. O estado autocraticamente governado está a isolar-se cada vez mais. Desde a crise política de 2018, mais de 150.000 pessoas fugiram do país. O governo também já fechou à força mais de mil ONGs só desde 2021.

Dezenas de milhares de nicaraguenses têm fugido para os países vizinhos desde que os protestos políticos irromperam em 2018 e se intensificaram no verão de 2021, quando o presidente nicaraguense Daniel Ortega prendeu dezenas de opositores políticos no período que antecedeu as eleições presidenciais. Copyright 2022 The Associated Press. All Rights Reserved

No entanto, as crises globais também estão a atingir duramente a África subsariana, e a DEZA argumenta que a retirada da Suíça da América Latina irá libertar fundos para a África. Então por que permanecer na América Central?

Porque é uma das regiões mais afetadas pelas mudanças climáticas em todo o mundo. Após os Furacões Eta e Iota no final de 2020, centenas de milhares de pessoas perderam as suas casas. As alterações climáticas também trazem desafios de segurança alimentar. As crises globais estão assim a assolar cada vez mais a população. Isto deve ser levado em conta.

Danos causados pelo Furacão Iota (2020) em Providencia (Colômbia). Keystone / Presidency Of Colombia Handout

As desigualdades dentro de um país são cada vez mais evidentes do que as diferenças de riqueza entre estados. Você acha que a Suíça deveria ter levado isso em conta ao escolher os países prioritários?

Sim, na nossa opinião seria importante que também tivéssemos mais em conta as desigualdades intra-societárias na escolha dos pontos focais. Os números nacionais dos países escondem o fato de que algumas partes da população estão empobrecendo drasticamente.

Vista aérea de uma área residencial junto a um povoado no município de Jocotenango. A desigualdade social na Guatemala é elevada, com 59% da população a viver na pobreza. Keystone / Esteban Biba

Nós somos a favor do desenvolvimento econômico, mas é importante que todos se beneficiem com ele. Um país pode crescer economicamente, mas ao mesmo tempo as desigualdades econômicas podem crescer ao mesmo tempo.

E isso é perigoso: quanto maiores forem as disparidades sociais na América Latina, maior será o risco de agitação política, como vimos na Colômbia e na Nicarágua. Seria melhor evitar incêndios do que apagar fogos. A última coisa que o mundo precisa agora é de outra região do mundo instável. Seria importante não esquecer a América Latina.

Mas a Europa está agora mais focada na guerra da Ucrânia.

É verdade. A América Latina não é tão próxima geograficamente, os meios de comunicação suíços relatam menos. 

A guerra na Ucrânia também tem um impacto na América Latina. Os preços dos alimentos e dos combustíveis subiram acentuadamente, o que atinge sobretudo a população mais pobre. Este é também o caso na América Latina. A Comissão Econômica da ONU para a América Latina e Caraíbas prevê que a proporção de populações vulneráveis na América Latina poderá aumentar para 33,7 por cento este ano. Em 2014, esta taxa era de 27,8 por cento. Por isso, vemos regressões significativas.

Como estão os povos indígenas na América Central e noutros países onde o poder econômico está concentrado em um punhado de famílias?

Na nossa área de projeto na Guatemala, 66% das crianças indígenas menores de cinco anos são cronicamente desnutridas.

A nutricionista Daniela Tanchez (24) oferece à Manuela recomendações para a família, que sofre de desnutrição aguda. ©2022, Morena Pérez Joachin, All Rights Reserved

Mesmo 25 anos após o fim da guerra civil, a pobreza e a subnutrição são generalizadas. A população rural e indígena é afetada de forma desproporcional. Portanto, os nossos projetos focalizam-se nestas pessoas a fim de melhorar as suas condições educacionais e de vida.

A Suíça retira-se da América Latina

A Suíça está atualmente concentrando a sua cooperação bilateral para o desenvolvimento mais geograficamente. A Estratégia de Cooperação Internacional 2021-2024 define quatro regiões prioritárias: Norte de África e Oriente Médio, África subsaariana, Ásia e Europa Oriental. Ao contrário do que acontecia no passado, a América Latina deixou de estar incluída.

O Departamento Federal das Assuntos Estrangeiros (DFAE) irá descontinuar a cooperação para o desenvolvimento na América Latina até ao final de 2024. Alguns projetos serão entregues a parceiros nacionais ou internacionais. Não existem planos para que a Suíça continue a rever os projetos.

Ao retirar-se da América Latina, a Suíça pode - de acordo com a argumentação da Confederação - concentrar os seus recursos especialmente na África subsaariana, onde a necessidade de cooperação para o desenvolvimento é maior, de acordo com o DFAE.

A ajuda humanitária e as medidas para promover a paz e a segurança humana mantêm o seu mandato universal. No Haiti, por exemplo, devido à difícil situação de segurança, estão a ser feitos esforços para transformar a cooperação internacional num programa humanitário.

Fonte: DFAELink externo

End of insertion

Editado por Balz Rigendinger

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?

Não foi possível salvar sua assinatura. Por favor, tente novamente.
Quase terminado… Nós precisamos confirmar o seu endereço e-mail. Para finalizar o processo de inscrição, clique por favor no link do e-mail enviado por nós há pouco

Leia nossas mais interessantes reportagens da semana

Assine agora e receba gratuitamente nossas melhores reportagens em sua caixa de correio eletrônico.

A política de privacidade da SRG SSR oferece informações adicionais sobre o processamento de dados.