Navigation

"Os estrangeiros deveriam ter um representante no Conselho Federal"

Às vésperas da eleição do Conselho Federal na quarta-feira, o escritor suíço Lukas Bärfuss lançou uma idéia explosiva: já que um terço da população suíça possui um passaporte estrangeiro, um dos sete conselheiros federais deveria também ser estrangeiro.

Este conteúdo foi publicado em 19. setembro 2017 minutos
O escritor suíço Lukas Bärfuss Keystone


O escritor Lukas Bärfuss é famoso por não usar luvas quando se trata de discutir criticamente a Suíça. Inesquecível (para os suíços ao menos) é o seu enfurecido ensaio "A Suíça é uma loucura" ("Die Schweiz ist des Wahnsinns"), publicado em um jornal alemão, e que rendeu rodadas de pugilato intelectual contra Roger Köppel, editor-chefe do semanário conservador Weltwoche, e deputado federal pelo Partido do Povo Suíço (SVP, na sigla em alemão; UDC em francês).

Agora, Bärfuss voltou a chamar a atenção com uma tese controversa. Na próxima quarta-feira, o parlamento suíço elege um novo Conselho Federal. O debate entre a classe política baseou-se no fato de a região de língua italiana da Suíça, o cantão do Ticino, voltar a ser representada no Conselho Federal. Em uma entrevista ao jornal "Nordwestschweiz", Bärfuss disparou: "É claro que o desejo dos ticineses em ter um conselheiro federal é legítimo. Mas, na verdade, os estrangeiros é que deveriam ter um conselheiro federal antes deles (dos ticineses)."

Lukas Bärfuss

O famoso escritor e dramaturgo suíço Lukas Bärfuss nasceu em 1971 em Thun. É autor de diversos romances e peças teatrais em que aborda temas contemporâneos e perturbadores, seja o papel ambíguo das agências de desenvolvimento no genocídio de Ruanda, o suicídio de seu irmão, "stalking", ou a vida sexual de uma jovem mentalmente incapacitada. Bärfuss vive com sua família em Zurique.

End of insertion

Um terço da população suíça é estrangeira e, portanto, jamais teria a oportunidade sequer de chegar perto de um assento do Conselho Federal. Para Bärfuss, é importante que toda a população esteja representada no governo do país. "Por que uma pessoa que mora aqui, trabalha aqui, manda seus filhos para a escola, e paga impostos, não pode se expressar politicamente?", indaga Bärfuss.

Quando a jornalista contra-argumentou, dizendo que a nacionalidade é uma espécie de compromisso de fidelidade, Bärfuss respondeu: "Concordo, mas nunca me exigiram essa lealdade, eu era suíço antes mesmo de ter um nome". A ligação com a sociedade é central, mas não depende do passaporte.

A exigência de Lukas Bärfuss é até certo ponto utópica: a Constituição Federal Suíça estipula que apenas cidadãos suíços podem ser eleitos para o Conselho Federal. Em alguns cantões, os estrangeiros têm o direito de votar em questões locais, na esfera municipal, e em alguns temas cantonais. Mas na esfera federal, mesmo a dupla cidadania de alguns dos candidatos ao Conselho Federal virou polêmica, pois a lealdade à Suíça foi questionada. Um conselheiro federal estrangeiro na Suíça é, na atual conjuntura política, simplesmente impensável.

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?