Navigation

O duro caminho para humanizar a vida dos trabalhadores sazonais

Manifestação no Dia do Trabalhador, em 1o. de maio em Zurique. Gertrud Vogler / Schweizerisches Sozialarchiv

Na política suíça depois de 1945, os estrangeiros eram vistos frequentemente como meros trabalhadores; ou como um problema. No final dos anos 1970, o movimento "Mitenand" tentou contrariar esta visão com uma nova perspectiva. O lema deste movimento de direitos civis em estilo suíço eram a coexistência inclusiva e equitativa em vez de exclusão. Apesar do fracasso nas urnas, lançou as bases para uma nova política.

Este conteúdo foi publicado em 26. agosto 2022 - 11:00

"O festival foi uma mistura colorida de barracas, música e aromas finos vindos da cozinha... As saborosas especialidades italianas e espanholas foram muito populares. Podia-se ouvir vários compositores ou dançar".

O que hoje soa como o relato de um festival culinário multicultural, na época encarnou para muitos a esperança de um novo começo na política externa. Em junho de 1978, a "Nostra Festa" aconteceu na Basiléia pela quinta vez, um festival organizado conjuntamente por organizações de esquerda italianas, espanholas e suíças unidas em torno da Iniciativa "Mitenand ".

"Para nós da Iniciativa Mitenand foi uma experiência extremamente agradável. Para variar, não discutimos parágrafos legais que deveriam ser melhorados, mas sim vimos o 'espírito Mitenand' realizado de uma forma animada. As pessoas estavam juntas em todos os lugares, conversando e rindo".

Depois, porém, a ativista Elisabeth Bloesch, que escreveu o relato, colocou a questão direta e inocentemente:  "O festival foi apenas um belo sonho? " Um sonho de uma Suíça onde a imigração seria feita de forma humana e solidária, onde os nativos e imigrantes trabalhariam em um futuro comum.

Alternativas para o debate

Em 1973, o movimento Mitenand (em francês: Être solidaires, em italiano: Essere solidali, em português: Ser solidário) foi lançado como reação ao debate odioso sobre "Überfremdung" (alienação causada pela imigração) que envenenou o início dos anos 70 na Suíça. O que então foi exemplificado em eventos como os festivais de encontro na Basiléia, mas também em Zurique e Berna, o movimento "Mitenand" quis ancorar na constituição com a iniciativa de referendo por uma política mais humana em relação aos estrangeiros.

Série inclusão

A democracia vive sua maior crise desde a II Guerra Mundial e a Guerra Fria.

A longo prazo enfrenta uma tendência de regimes autoritários e autocracias que perdura há 15 anos.

A curto prazo, devido à pandemia de Covid-19 e à invasão da Ucrânia pela Rússia.

A resiliência é um fator-chave para lidar com a crise multidimensional: as democracias devem fortalecidas "de dentro", a fim de serem mais capazes de resistir às ameaças.

Na série, swissinfo.ch se concentra em um princípio de democracia até o momento pouco citado no debate sobre a resiliência: a inclusão.

Apresentamos pessoas que lutam por uma inclusão que engloba também as minorias. E a oposição, que conta com o apoio da maioria.

swissinfo.ch organiza um painel internacional sobre inclusão no Fórum Global sobre Democracia Moderna Direta 2022Link externo, que ocorre em Lucerna de 21 a 25 de setembro de 2022.

Os suíços e suíças de exterior também foram excluídos por muito tempo, pois só puderam exercer seus direitos políticos a partir de 1992.

End of insertion

Durante o boom econômico após a II Guerra Mundial, a Suíça trouxe centenas de milhares de trabalhadores para a Suíça, principalmente da Itália e de outros países do sul da Europa. Durante este período, cerca de 8,5 milhões de vistos de residência pela primeira vez foram emitidos para "trabalhadores estrangeiros". O mercado de trabalho precisava urgentemente de mão de obra, especialmente no setor de construção em expansão, mas também na indústria, gastronomia e agricultura.

Trabalhadores sazonais da Itália, Espanha, Portugal, Turquia e outros países ajudaram a construir o país dos anos 1950 a 1980. Gertrud Vogler / Schweizerisches Sozialarchiv

Mas vários regulamentos garantiam que os "estrangeiros" tivessem que retornar aos seus países de origem após o término de seu trabalho. Por exemplo, o chamado "estatuto do trabalhador sazonal" estipulava que "trabalhadores estrangeiros" só podiam permanecer no país por nove meses de cada vez. Suas famílias, no entanto, tinham que permanecer "fora".

Em meados da década de 1960, as condições que prevaleciam na Suíça estavam sob pressão internacional. Foram feitas concessões, tais como permitir a reunião familiar. Cada vez mais, grupos de interesse econômico e políticos temiam a migração para outros países e, portanto, chegaram à conclusão de que alguns dos trabalhadores estrangeiros e suas famílias deveriam se estabelecer no país.

Ficou claro que a economia suíça em expansão tinha ficado permanentemente dependente de "trabalhadores estrangeiros". Com o fim da rotação, em meados dos anos 60 iniciou-se um debate público que continua até hoje sobre a questão de como a imigração deve ser politicamente administrada.

Uma resposta expressiva foi o desejo de voltar atrás na história. Em 1968, o partido Ação Nacional contra a Alienação do Povo e da Pátria (NA, na sigla em alemão), de extrema-direita, apresentou a proposta de referendo chamada Iniciativa Schwarzenbach, segundo a qual a proporção de estrangeiros nos cantões (exceto Genebra) deve ser limitada a um máximo de 10%.

A controvérsia em torno da "Überfremdungs-Initiative", como também foi chamada, teve muitas repercussões (VÍDEOLink externo). No dia da votação, em junho de 1970, centenas de milhares de pessoas estavam literalmente sentadas em malas feitas, com medo de terem que deixar o país. Uma experiência formativa que muitos podem lembrar muito bem. Embora a iniciativa tenha falhado nas urnas por uma margem inesperadamente estreita de 54%, para muitos ela moldou os debates sobre imigração na Suíça até os dias de hoje. Ela também serviu para legitimar a violência. Em março de 1971, apoiadores fanáticos da iniciativa de referendo sobre o "Überfremdung " assassinaram o italiano Alfredo Zardini em Zurique.

E embora a NA tenha vindo da extrema direita, ela não havia inventado o termo "Überfremdung". Sua política abordava uma preocupação que tinha sido objeto de debate controverso na Suíça desde o início do século 20: a questão sobre se os "estrangeiros" poderiam se adaptar ao "estilo de vida suíço".

Iniciativa para uma nova política 

O filme suíço de maior sucesso até hoje, Die Schweizermacher (Os Fazedores de Suíços), gozou desta noção xenófoba de assimilação, sua ilusão burguesa de controle e a permanente suspeita de estrangeiros em 1978. Nos anos 70, vozes críticas eram cada vez mais ouvidas no meio acadêmico e na sociedade civil exigindo uma "integração" equitativa em vez da "assimilação" subordinada, uma palavra que surgiu naquela época e suscitou esperanças de uma abordagem diferente da imigração.

Em 1974, quando o Partido de Ação Nacional pediu uma votação contra outra iniciativa sobre a alienação via imigração, formou-se uma resistência da sociedade civil. O Movimento dos Trabalhadores Católicos (KAB, na sigla em alemão) criou o grupo de trabalho Mitenand para uma política humana em relação aos estrangeiros.

O movimento Mitenand fez campanha por uma política de integração baseada na solidariedade e rapidamente se transformou em uma ampla aliança. O presidente do grupo de trabalho na época, o pastor Jean-Pierre Thévenaz, lembra vivamente que naquela época o movimento conseguiu ter ressonância com pessoas e organizações "da extrema esquerda até o centro", com quem era "pelos direitos humanos e pela justiça", dos marxistas até a igreja, e com as vozes burguesas-liberais. Isso, pela primeira vez na Suíça de língua alemã, assim como no Ticino e na Suíça de língua francesa.

Cartazes dos anos 1960 e 1970 pediam a igualdade de direitos para os trabalhadores sazonais na Suíça. Bernard Schlup / Schweizerisches Sozialarchiv

As grandes organizações, principalmente de trabalhadores italianos e espanhóis, também faziam parte da aliança. Gianfranco Bresadola, Presidente da Federazione delle Colonie Libere Italiane, enfatizou no boletim Mitenand no final dos anos 70 que somente através de "uma solidariedade viva e eficaz é possível superar os mil obstáculos existentes".

Queria-se apoiar o movimento Mitenand "sem hesitação", também porque ele encarnava a "melhor tradição democrática do país". Em outubro de 1980, alguns meses antes da votação, realizou-se um congresso nacional das organizações de estrangeiros do movimento Mitenand "para finalmente sermos ouvidos" como dizia o anúncio.

O movimento Mitenand também foi inspirado pelo despertar político em nível internacional: pelas iniciativas de direitos humanos e solidariedade, pelo movimento ecumênico mundial, pelos avanços para os direitos dos chamados trabalhadores migrantes em nível europeu e, não menos importante, pelo movimento de direitos civis nos EUA com seu compromisso com os direitos civis e sociais daqueles que supostamente não pertencem à maioria.

Como o Movimento dos Direitos Civis nos EUA, o Movimento Mitenand assumiu que a sociedade como um todo teria que mudar para que isso acontecesse, e que isso exigiria o compromisso da sociedade civil. A verdadeira integração só se seguiria de uma democratização da sociedade.

Em 1977, o grupo de trabalho Mitenand havia coletado assinaturas suficientes para apresentar a proposta de referendoLink externo cujo nome oficial era Iniciativa para uma Política Mais Humana para os Estrangeiros. Em 1978, eles convocaram um comício nacional em Berna. Estandes com informações políticas e especialidades culinárias estavam lado a lado, e havia um programa cultural que ia desde exibições de filmes e contribuições musicais de refugiados chilenos até danças tradicionais portuguesas.

Conteúdo externo

Entretanto, isto não deveria obscurecer o fato de que se tratava de exigências políticas e legais, como o presidente do grupo de trabalho Mitenand, Paul O. Pfister, deixou claro em seu discurso: "As mulheres e os homens aqui reunidos, estrangeiros e suíços, todos habitantes deste país, apelam ao povo suíço e aos governos, parlamentos e administrações da Confederação, cantões e municípios para que finalmente realizem as máximas de humanidade e solidariedade na política de nosso país em relação aos estrangeiros também. [...] Exigimos uma política que pressuponha que o estrangeiro é um ser humano com direitos e benefícios sociais iguais aos dos suíços".

As demandas da Iniciativa Mitenand iam desde a concessão de direitos humanos até direitos civis abrangentes para os estrangeiros na Suíça. Em termos concretos, elas incluíam a reunificação familiar e a seguridade social, uma nova política de integração baseada em um processo de integração bidirecional para "suíços e estrangeiros", e a abolição do controvertido e discriminatório estatuto do trabalhador sazonal.

Legado da iniciativa

O Conselho Federal (Poder Executivo) e o Parlamento recomendaram que a iniciativa fosse rejeitada. Uma contraproposta também levou a tensões no movimento. Em particular, para alguns a demanda da Mitenand pela abolição do estatuto do trabalhador sazonal tinha ido longe demais. A votação foi consideravelmente atrasada devido a táticas de realpolitik (política pragmática de poder), e finalmente a data de votação foi marcada para 5 de abril de 1981. A proposta foi derrotada por cerca de 84% dos votos, uma das principais razões pelas quais a memória do movimento Mitenand quase desaparecido da memória cultural da Suíça de hoje.

Mas apesar da grande decepção com o alto nível de rejeição entre a população, o trabalho por uma política humana em relação aos estrangeiros e à integração continuou. Entretanto, não mais no grande palco da política, mas com foco na construção de redes de solidariedade e iniciativas locais. Ativistas do movimento Mitenand se envolveram nos novos debates sobre a integração da "segunda geração", bem como no novo movimento de asilo e nas iniciativas antirracistas que surgiram a partir de meados da década de 1980.

O autor: Kijan Espahangizi pesquisa e ensina na Universidade de Zurique. Nesta primavera publicou o livro "Der Migration-Integration-Komplex" (O Complexo da Migração e Integração)", da editora Konstanz University Press. zvg

Não foi por acaso que o movimento Mitenand se dissolveu no início dos anos 90. O fim do Bloco Oriental, a nova dinâmica da globalização e a fundação da União Europeia com seu projeto de livre circulação de pessoas anunciaram uma mudança de época também na questão da migração. Mesmo que a Iniciativa Mitenand com seu foco nos "trabalhadores estrangeiros" dos anos 1960, e seu logotipo tenha perdido sua atualidade contra o pano de fundo destes desenvolvimentos, o "espírito Mitenand", evocado na citação inicial continuou a ter um impacto e deixou uma marca duradoura na democratização da questão da imigração.

Nas palavras de Max Frisch, a Suíça não deve se ver como algo que "se tornou grandiosa" e que deve ser defendida por todos os meios, mas como algo que está "se tornando" continuamente, como algo que tem que ser reinventado repetidamente.

Adaptação: DvSperling

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?