Navigation

NecrosIA: a espera pela morte perfeita

Helen James /swissinfo.ch

E se a morte perfeita pudesse ser organizada? Neste novo episódio da nossa série de ficção científica, NecrosIA é um serviço robotizado que possibilita o suicídio assistido. Mas quando um sistema de inteligência artificial de última geração é utilizado nos clientes, a morte voluntária torna-se mais difícil do que o esperado...

Este conteúdo foi publicado em 03. dezembro 2021 - 10:00
Tu Wüst (texto), Helen James (ilustração)

"Seu tempo é precioso: não o desperdice providenciando uma morte perfeita". Pois cada minuto dos seus últimos momentos deve ser mágico. Esqueça suas preocupações e deixe que nosso serviço de luxo se encarregue de tudo.

NecrosIA, a líder em robótica na assistência ao suicídio."

Uma nova e visionária série de ficção científica da swissinfo.ch: “As Utopias e Distopias de Amanhã”

Utopia ou distopia? Sonho ou realidade? A revolução tecnológica contemporânea nos confronta com questões fundamentais sobre o futuro da humanidade. As novas tecnologias serão aliadas ou inimigas do homem? Como elas mudarão nosso papel na sociedade? Estaremos destinados a evoluir para uma espécie de super-humanos ou a ser superados pelo poder das máquinas?

“Utopias e Distopias de Amanhã” é a nova série original de contos de ficção científica criados pela SWI swissinfo.ch para tentar responder a estas perguntas de uma forma inovadora e visionária. Graças à criatividade de um grupo de escritores e à colaboração de pesquisadores e profissionais, tentaremos imaginar como a tecnologia irá moldar nossas vidas. Cada história de ficção científica será acompanhada de um artigo informativo em colaboração com os principais especialistas suíços para lhe dar um verão cheio de sonhos utópicos em algum lugar entre a ficção e a realidade!

End of insertion

Lanço o cartão de visita na mesinha do quarto do hotel, onde acabo de deixar minha bagagem. No verso, em letras que refletem as cores do arco-íris, duas pequenas palavras tão pesadas quanto toda a carga mental e o peso do legado que minha mãe quer me deixar: "Me liga".

Não ouço sua voz há meses. Desde que saí de seu escritório e bati com a porta. Para dizer a verdade, não me lembro de seu tom original, aquele que costumava me envolver com canções de ninar e risos. O sintetizador vocal que tem sido sua interface durante anos não faz jus à grande mulher que me deu à luz. 

Qualquer um de meus namorados que a conhecia e se chocava, ou achava engraçado fazer uma piada com a palavra 'Hawking' normalmente não passava do primeiro jantar de família em minha casa.

Tiro minhas botas de montanha, meu anoraque e as calças de trilha antes de me deitar na cama para verificar meu horário para o dia seguinte. Um grupo de centenários que querem escalar a montanha Matterhorn e depois descer voando em wingsuits para comemorar o aniversário de um de seus membros... É o terceiro evento deste tipo que participo neste ano, como se esta clientela estivesse divulgando boca-a-boca e passando meu cartão de visita. Sol, força do vento, perfil de cada participante: eu verifico meus indicadores de segurança. Uma risada amarga me escapa. Os malucos saudáveis podem ser "melhorados" para viver indefinidamente e fazer sexo, mas não há cura para a doença de Charcot que você tem e que lhe mantém em sua cadeira de rodas? Em que mundo você me concebeu, mamãe?

O primeiro brilho tênue e alaranjado da alvorada titila a moldura da janela. Atraso a chamada para a NecrosIA. Minha mãe provavelmente já está lá, acordada, apesar da madrugada. Ela não entende por que eu não fui para casa dormir. Nem por que não quero assumir a direção da empresa de sucesso que ela criou.

Eu caio num sono sem sonhos e acordo em sobressalto. Eu toco mecanicamente com o dedo vão atrás do lóbulo da minha orelha direita. Mas minha pele está lisa e macia. Intocada. Eu suspiro, respiro e começo a chamada.

"Olá, mamãe?

- Tenho estado esperando sua ligação. Na verdade, estou esperando por você. Você estará à minha cabeceira?

- Sim, mas não estou de acordo com sua decisão.

- Qual decisão? A de morrer esta noite ou a de deixar a empresa para você?

- Ambas decisões"!

Não pude deixar de levantar minha voz. Meu aparelho pede para mudar para vídeo. Eu troco de modo e minha mãe aparece em sua cadeira de rodas, mais encolhida do que nunca. As três luzes verdes de seu implante atrás de sua orelha brilham, um sinal de que o nanobot ligado à base de seu cérebro transmitirá suas instruções letais na hora marcada.

“Olhe para mim, Lydia”, me ordena sua voz sintética. Olhem para mim e você verá que estou em paz com minha decisão de acabar com isto. Vou deixar para trás uma multinacional saneada e próspera. Nosso departamento transhumanista é autofinanciado graças à sua divisão Ethernity. Quando nossos clientes começam a ficar loucos por não poderem morrer naturalmente, eles compram um de nossos robôs de eutanásia. Só por precaução. É um grande alívio para eles, você sabe. É como uma apólice de seguro que lhes permite poder sair antes que percam o juízo.

- Mãe, isso não faz nenhuma diferença para mim. Eu já sei de tudo e não quero nada disso.

- Lydia, não confio em ninguém além de você. A NecrosIA cometeu apenas um erro de julgamento entre milhares de mortes reais, temos que continuar aperfeiçoando-a.

- Isso é impossível, mãe. Olhe, não quero discutir com você, especialmente hoje. Você pode me forçar a testemunhar seu suicídio, mas não a assumir o papel de diretora executiva. Todo aquele dinheiro, responsabilidade, pressão da mídia...

- É um risco menor do que seu trabalho como guia. Você coloca sua vida em risco todos os dias.

Sua voz fica distorcida, sua imagem fica embaçada, sinto-me inquieta e afundo na escuridão. Quando abro meus olhos, a encontro em sua poltrona de presidente executiva rodeada pelo comitê de renovação de licença de negócios. Sua voz monótona não trai sua satisfação, que eu posso apenas imaginar:

"Prezado Comitê, como vocês podem ver, após seu acidente nas montanhas, minha filha quis deixar de viver e ativou o processo de eutanásia. Um nanobot se fixa em seu hipotálamo e realiza uma série de testes. Em um estado semi-consciente, a paciente revela parte de suas aspirações mais profundas. Cenários guiados como o que você acabou de testemunhar alimentam nosso banco de dados global e refinam os critérios para autorizar uma morte. Se ela não aceitar minha própria decisão fictícia de eutanásia, isso desencadeia uma série de verificações adicionais. No total, nossa IA central, que se comunica com cada nanobot, realiza vários trilhões de testes com total objetividade. Se houver alguma dúvida, mantemos a pessoa viva. 

As cabeças menearam em aprovação. Especialistas em robótica, em ética, médicos, psicólogos... os perfis são diversos, mas nenhum deles notou o brilho de triunfo nos olhos aguçados de minha mãe. Sua atenção está voltada para meu corpo amorfo, que jamais subirá outro pico nevado, e meu implante, cuja última luzinha se recusa obstinadamente a ficar verde.

Com um piscar de olhos, o diretor ordena que minha maca autônoma me leve de volta ao meu quarto dourado de hospital. Amanhã, ela vai me arrastar e me mostrar para a imprensa.

Vá para o inferno, mãe, você e a NecrosIA! Não há mais nada para me manter viva, exceto sua precaução excessiva.

*          *          *

Quando criança, Tu Wüst queria se tornar um astronauta (que clichê!) ou uma coletora de lixo (um trabalho ao ar livre, demais!). Mas depois da matemática, e depois da informática sustentável, é na administração pública que ela está ativa. Ao longo de seu caminho por estes diferentes ramos, alguns traços permanecem: seu gosto pela ficção científica, seu otimismo infalível e seu sotaque bastante suíço.

Até que ponto esta história é realista? Uma cápsula impressa em 3D, destinada a ser utilizada para o suicídio assistido, poderá em breve ser legalmente utilizada na Suíça.

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?