Navigation

Lugano é palco para debate sobre a reconstrução da Ucrânia

O bombardeio de cidades destruiu vidas e infra-estrutura em toda a Ucrânia. A conferência de Lugano tem como objetivo ajudar a moldar um plano de recuperação. Keystone / Sergey Kozlov

Como colocar a Ucrânia no caminho da recuperação? Esse é o tema de uma grande conferência internacional organizada pela Suíça em Lugano no início de julho. Mas isso pode ser mais fácil de dizer do que realizar. A guerra está em curso e a corrupção no país ainda preocupa.

Este conteúdo foi publicado em 01. julho 2022 - 11:00

"A prioridade número um continua sendo terminar com a guerra, porque sem o fim da guerra, o sofrimento definitivamente vai continuar", declarou Manal Fouani, representante do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) na Ucrânia. "O sofrimento continua a aumentar, com os desafios se somando diariamente".

A Conferência de Recuperação da Ucrânia, a ser realizada em Lugano de 4 a 5 de julho, já estava no calendário antes de a Rússia lançar um ataque em grande escala contra a Ucrânia em 24 de fevereiro. Ela fez parte de uma série de conferências internacionais realizadas em vários países desde 2014 para apoiar os esforços de reforma e democratização do governo ucraniano.

A conferência foi reestruturada para discutir os planos de reconstrução e desenvolvimento da Ucrânia depois que a Rússia invadiu seu vizinho. O ato de guerra deixou as principais cidades, incluindo a capital Kiev e Kharkiv marcadas por bombardeios aéreos, ataques de foguetes e barragens de artilharia. Mais de cinco milhões de ucranianos fugiram em meio ao conflito que ceifou milhares de vidas, destruiu meios de subsistência e deixou a infraestrutura vital em ruínas.

O presidente da Confederação Suíça e ministro das Relações Exteriores, Ignazio Cassis, disse em uma coletiva de imprensa em 20 de junho que a conferência não foi concebida como um evento para doadores, mas como um passo na direção de reformas do Estado, incluindo a boa governança, descentralização, a separação de poderes e a luta contra a corrupção. 

De acordo com o site da conferênciaLink externo, as discussões se concentrarão no Plano de Recuperação e Desenvolvimento do governo ucraniano, assim como nas reformas, prioridades e condições para a ajuda internacional à recuperação. Cassis caracterizou o evento como uma "responsabilidade e uma oportunidade para que a Suíça contribua para a estabilidade europeia".  

A Suíça diz que 41 países e 19 organizações internacionais, incluindo figuras-chave do Banco Mundial e das Nações Unidas, foram convidados. Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, confirmou sua presença. Espera-se que o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky participe pessoalmente ou por vídeo. Representantes do setor privado também estarão presentes.

Reconstrução

Especialistas dizem que as chances de um cessar-fogo ou de negociações de paz são pequenas a curto prazo, mas isso não significa que seja cedo demais para pensar na recuperação da Ucrânia.  Muitas partes do país gozam de relativa calma agora que o conflito com a Rússia se concentrou no Leste, e a necessidade de reconstruir é premente.

Fouani ressalta que o PNUD tem apoiado o governo ucraniano com conhecimentos técnicos no desenvolvimento de seu plano de recuperação e desenvolvimento, bem como na avaliação dos danos, e que ela estará presente na conferência em Lugano. O plano, diz, abrange a "recuperação econômica, social, ambiental e de infraestrutura", e coloca ênfase na eficiência e na responsabilidade enquanto inclui "as vozes do povo", graças a um amplo processo de consulta.

As necessidades urgentes imediatas, acrescenta, também precisam ser abordadas em meio às discussões sobre "reconstruir e melhorar". As pessoas já estão retornando para suas casas em áreas liberadas, e estas precisam ser tornadas seguras. Grande parte do país ainda está minada, e isto causou vítimas entre civis. A reconstrução ampla não pode começar antes que os edifícios desmoronados tenham sido removidos. "É essencial que os reparos rápidos, a melhoria da infraestrutura e dos serviços públicos aconteçam o mais rápido possível, juntamente com a garantia de que haja apoio direto para a subsistência, produção de alimentos e algumas atividades econômicas".

Combate à corrupção

Há também questões sobre as condições e supervisão da ajuda internacional à Ucrânia para a reconstrução. Simon Pidoux, chefe adjunto da embaixada da Suíça na Ucrânia e embaixador especial da Suíça encarregado da conferência disse em 20 de junho que "a Ucrânia está no centro de sua própria reconstrução, são eles que a impulsionam e todas as decisões serão tomadas em conjunto". Cassis, no entanto, enfatizou que um dos princípios emergentes da conferência deveria ser o de "total transparência e vigilância dos fluxos financeiros".

A Ucrânia está na posição 122 dos 180 países no Índice de Percepções de Corrupção de 2021 da Transparency InternationaLink externol. Uma pesquisa realizada em agosto de 2020 pela Fundação Ilko Kucheriv para Iniciativas Democráticas, com sede em Kyiv, constatou que, enquanto 41,8% dos entrevistados ucranianos afirmaram que a corrupção "é um fenômeno vergonhoso que não tem fundamentos objetivos", 36% disseram que a corrupção é "um componente das tradições sociais". O suborno para serviços públicos tem sido tradicionalmente um problema e tem havido preocupação com o uso indevido de fundos internacionais.

Fouani, do PNUD, observa que nos últimos anos foram feitos progressos neste sentido, mas argumenta que o controle e a supervisão no uso dos fundos internacionais de reconstrução continuam sendo importantes. "Falou-se recentemente de mais de 600 bilhões de dólares de danos, e esse número continua aumentando", observa ela. Embora nenhuma etiqueta de preço tenha sido colocada no plano de reconstrução da Ucrânia, ele claramente envolverá grandes somas de dinheiro de ajuda internacional à Ucrânia.

"A conferência também está analisando reformas, responsabilidade e transparência, e haverá sessões apenas dedicadas a este processo", diz Fouani. Este é um tema que tem sido levantado por muitos parceiros, e o governo ucraniano o leva muito a sério".

Prioridades

Margaret Harris, da Organização Mundial da Saúde (OMS), que também enviará representantes a Lugano, chama a atenção para a necessidade de lidar com as necessidades de saúde da população.

Ela observa que pelo menos 295 das instalações na Ucrânia foram atingidas pelos ataques russos e que a reconstrução e melhoria do sistema de saúde do país deve ser uma prioridade máxima. Apesar dos desafios, o setor de saúde continua a funcionar graças a equipes dedicadas e altamente qualificadas que mantêm os hospitais funcionando.

"Estamos certamente apoiando onde infraestrutura foi danificada, os edifícios, a falta de suprimentos, mas também olhando para quais são as maiores necessidades", disse ela à swissinfo.ch.  "E uma das grandes necessidades que mudaram é o apoio à saúde mental". Na verdade, estamos trabalhando muito nisso agora mesmo com a esposa do presidente, Elena Zelensky, que criou uma iniciativa para tentar alcançar a todos os ucranianos".

Harris diz que havia muitos problemas de saúde mental antes da guerra, como abuso de álcool e doenças psicológicas crônicas, mas "agora você tem o resto da população enormemente afetada pelo terror, dor e sofrimento que eles estão passando". O cuidado com a saúde mental agora requer enormes recursos, ela enfatiza.

Além disso, ela diz que há muitas doenças não transmissíveis, como hipertensão, diabetes e derrame cerebral. Nas "áreas liberadas", todos os medicamentos haviam sido saqueados, ela continua, portanto, os suprimentos médicos precisam ser reabastecidos e os cuidados primários aumentados. "Muitas pessoas que não conseguiram obter remédios morreram nos porões, provavelmente mais do que por granadas e bombas".

Abordagem "holística

Foauni diz que é difícil falar de prioridades quando há tantas necessidades. E algumas talvez sejam menos óbvias, diz Rana Amirtahmasebi, uma consultora de planejamento urbano sediada nos EUA especializada em recuperação pós-conflito e estratégia cultural. Ela diz que um planejamento de recuperação bem-sucedido requer uma abordagem abrangente e holística, especialmente em uma zona de conflito.

"Há medidas materiais e medidas imateriais para a recuperação", observa. "Estas medidas precisam trabalhar em conjunto para tornar a recuperação possível. Isto é especialmente importante no caso de conflitos, porque a coesão social e a orientação moral das comunidades estão avariadas".

As medidas materiais, explica ela, incluem todas as infraestruturas tradicionais, como água e saneamento, transporte, estradas e energia. "Ao reconstruí-las, os países também deveriam se concentrar em medidas imateriais como artes/cultura e educação", disse.

Adaptação: DvSperling

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?