Navigation

Escolas suíças no exterior se recuperam lentamente da Covid

Alunos da Escola Suíça de Pequim educationsuisse

Após a interrupção da escolaridade causada pela pandemia de coronavírus, as escolas oficiais da Suíça no exterior estão buscando olhar para o futuro. E começando com uma tarefa: definir o que faz delas “suíças”.

Este conteúdo foi publicado em 21. julho 2022 - 17:00

Diretores e funcionários das 18 escolas suíças no exterior se reuniram no cantão da Turgóvia entre 11 e 13 de julho para a primeira conferência anualLink externo completa na Suíça depois de dois anos.

Mais de 100 pessoas estiveram presentes na solenidade oficial, aberta aos convidados, que ocorreu no dia 13 de julho.

A Turgóvia é o cantão patrono do Colégio Pestalozzi, a escola suíça em Lima, Peru, que é uma das escolas que está no grupo das que foram mais afetadas durante a pandemia. A unidade precisou ficar em ensino remoto por mais de um anoLink externo.

A maioria das outras escolas, que estão espalhadas pela América Latina, Ásia e partes da Europa, estão “bastante de volta ao normal”, diz Barbara Sulzer Smith, chefe da educationsuisseLink externo, a organização que representa as escolas suíças no exterior.

O ministro do Interior, Alain Berset, pôde ver a situação por si só, quando visitou a Escola Suíça em Roma em maio deste ano.  “Após o lockdown e o ensino à distância – dominado com dedicação pela escola suíça em Roma – é ainda mais agradável comemorar seu 75º aniversário aqui”, ele twittou depois.

Apenas a mais nova escola suíça no exterior, a unidade de Pequim, teve que voltar mais uma vez ao ensino à distância este ano, disse Sulzer Smith, da educationsuisse.  As escolas na capital chinesa foram fechadas em maio em meio a um aumento nos casos de Covid transmitidos localmente.

Desafios

“Em algumas escolas, o desafio era trazer as crianças de volta [após o ensino à distância] e elas tinham que voltar à vida escolar normal novamente”, disse Sulzer Smith à SWI swissinfo.ch.

Embora para alguns alunos o alemão - principal língua suíça oferecida nas escolas suíças no exterior – tenha caído um pouco devido à falta de oportunidades para praticar, o nível geral de escolaridade foi bem mantido, graças ao ensino a distância eficaz, acrescentou.

No entanto, o número de alunos nas escolas suíças no exterior está ligeiramente menor.  Os números mais recentes são de 2020 –  os dados de 2021 serão divulgados em breve – e indicam que há 7.970 alunos matriculados, pouco menos que os 8.000 registrados em 2019.

“Tivemos algumas famílias de expatriados suíços que voltaram para a Suíça [devido à pandemia], mas algumas escolas tiveram novos filhos porque as famílias locais perceberam que as escolas suíças ofereciam boa educação mesmo em tempos de crise ou pandemia”, explicou Sulzer Smith.

As escolas suíças no exterior, embora originalmente criadas para famílias de expatriados, agora têm apenas cerca de 20% de alunos suíços.  O resto da comunidade escolar é composta por moradores e outros expatriados.  As escolas são pagas, mas não têm fins lucrativos e são patrocinadas por um cantão patrono que dá apoio pedagógico (mas sem financiamento).  O apoio financeiro vem do governo.

As escolas suíças no exterior também precisam cumprir certos critérios estabelecidos na lei suíça, como a maioria dos professores serem suíços, para obter seu selo oficial.

Defina "Suíça"

Mas, nos últimos anos, têm crescido os pedidos para que a rede defina o "ser suíça" com mais precisão – especialmente no contexto de um mercado internacional de escolas altamente competitivo.  Somente em Cingapura, local de uma das escolas suíças, estima-se que existam mais de 60 escolas internacionais.  A China também tem um mercado altamente lotado.

Kai Reusser / swissinfo.ch

A questão estimulou a elaboração de uma nova carta das escolas suíças no exterior, lançada em 13 de julho. O novo documento define o que as 18 escolas suíças no exterior entendem como "a origem suíça" em seus valores, mas também no aprendizado, ensino e na gestão escolar.  Também abarca a atuação das escolas suíças como centros culturais e seu funcionamento em rede.

Por exemplo, o documento aponta que a participação nas decisões da escola por parte de professores, alunos e pais é muito importante.  Isso reflete a importância da democracia diretaLink externo – onde as pessoas têm voz – na Suíça e é diferente de outros sistemas escolares, onde o diretor da escola provavelmente dará a palavra final.

“Muitos desses valores da carta já estão sendo vividos em escolas suíças no exterior, mas queremos torná-los mais visíveis”, disse Sulzer Smith.

Adaptação: Clarissa Levy
(Edição: Fernando Hirschy)

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?