Navigation

Indústria relojoeira enfrenta o futuro

Empresa lança relógios mecânicos a preços "populares"

Antes de fundar sua própria empresa, Thomas Baillod trabalhou por mais de 15 anos em vendas e distribuição para marcas de relógios suíças. Samuel Jaberg/swissinfo.ch

Um relógio suíço acessível a qualquer um? O empresário Thomas Baillod mostra que isso é possível ao lançar no mercado um produtos com mecanismo de turbilhão, fabricado no país e com um preço de tabela abaixo dos cinco mil francos. 

Este conteúdo foi publicado em 30. janeiro 2022 - 10:00

Patenteado em 1801 por Abraham-Louis Breguet, o turbilhão ainda fascina os amantes da relojoaria mecânica fina. Este mecanismo, que toma a forma de uma pequena gaiola móvel que comporta os sistemas reguladores do relógio, foi projetado para corrigir pequenos erros causados pela atração da terra.

No século 19, pouquíssimos relojoeiros conseguiram emular a destreza técnica do famoso físico e relojoeiro nascido em Neuchâtel. E até o início dos anos 90, menos de 1.000 relógios com turbilhão foram produzidos por relojoeiros suíços.

Mas nos últimos vinte anos, com o retorno em voga da relojoaria mecânica e o boom da demanda asiática por relógios de luxo, dezenas de milhares de relógios de pulso com turbilhão de marcas suíças foram vendidos em todo o mundo. Cuidadosamente projetados pelos melhores designers de relógios do mundo, os relógios com esta complicação geralmente custam mais de 100 mil francos e são destinados a uma clientela rica.

Relógios espetaculares

4.700 francos, incluindo todos os impostos: este é o preço que Thomas Baillod, fundador da empresa relojoeira BA111ODLink externo em Neuchâtel, está pedindo por seu relógio turbilhão desenvolvido pelo relojoeiro independente Olivier Mory. Os primeiros 220 modelos da série estão à venda na Internet para entrega em abril. Cento e trinta peças já foram vendidas.  

"Meu objetivo é lançar relógios espetaculares a preços acessíveis". Quero provar que é possível democratizar a relojoaria fina sem fazer concessões na qualidade", explica Thomas Baillod, que nos recebeu no início de janeiro em seus escritórios localizados no sopé do Château de Neuchâtel.

>> O funcionamento de um mecanismo de turbilhão (vídeo do Youtube):

Conteúdo externo

O lançamento, no final de 2021, do quarto modelo da jovem marca BA111OD não passou despercebido no microcosmo da relojoaria suíça. "Mesmo que se tenha tornado mais comum do que há alguns anos, o turbilhão continua sendo o Santo Graal das complicações do relógio. E uma dos mais caras. Há seis anos, o lançamento pela TAG Heuer de um modelo suíço de turbilhão com custo inferior a 15.000 francos já havia provocado um intenso debate na comunidade relojoeira", diz Serge Maillard, jornalista e co-diretor das edições especializadas da Europa Star HBMLink externo.

Limitando os custos de distribuição

Mas como é que Thomas Baillod consegue tal preço? Os diversos componentes do movimento do turbilhão BA111OD são feitos inteiramente por subcontratados suíços, o que permite à marca reivindicar a etiqueta "Swiss made".

Thomas Baillod nos garante que ele paga a seus fornecedores um preço justo. Ele também é muito crítico em relação às marcas que cortam as margens de seus subcontratados até o osso "enquanto ao mesmo tempo gastam orçamentos extravagantes para promover seus relógios".

"Em um modelo de vendas diretas ao cliente, a produção representa apenas cerca de 20% do preço do relógio. O verdadeiro desafio do custo está na distribuição", diz ele.

Thomas Baillod desenvolveu um conceito inovador de vendas pela Internet que incentiva os compradores a encontrar novos consumidores. Desta forma, ele recupera as margens normalmente dadas aos intermediários, que representam quase 65% do preço de venda do relógio.

Thomas Baillod mostra quatro peças da sua nova marca. Samuel Jaberg/swissinfo.ch

O orçamento de marketing é insignificante: ao contrário de muitas marcas de relógios comunitários que surgiram nos últimos anos, a BA111OD não inunda as redes sociais com publicidade, mas confia em seus clientes para promover seus produtos. Em troca, estes “Emfluendores” (uma contração de "embaixador", "influenciador" e "vendedor") são recompensados com um relógio da marca ou uma viagem com todas as despesas pagas a Ibiza.

Ao lançar um relógio altamente complicado por menos de cinco mil francos, Thomas Baillod também está indiretamente apontando o dedo para marcas que se empanturraram de lucros fáceis nos últimos anos. "Algumas casas relojoeiras não hesitam em cobrar de seus clientes até doze vezes o preço de custo de um movimento de turbilhão. Conosco, as margens estão na região de 45 a 50%", diz ele.

Reconquistando os corações dos aficionados

Hugues JeanneratLink externo, professor de Inovação e Geografia Econômica na Universidade de Neuchâtel, foi seduzido pelo conceito de Thomas Baillod: "Este relógio turbilhão é destinado a pessoas apaixonadas pela relojoaria e que não podem comprar relógios que custam dezenas de milhares de francos, mas que assim ganham acesso a uma certa exclusividade. É precisamente este segmento que a indústria relojoeira deve reconquistar, pois está correndo o risco de se tornar totalmente irrelevante aos olhos das pessoas comuns".

Uma visão compartilhada pelo jornalista Serge Maillard: "A indústria relojoeira será saudável desde que novos empresários se interessem por ela. Este tipo de projeto torna possível testar o potencial de uma nova clientela, oferecendo uma porta de entrada acessível para produtos de relojoaria de qualidade.

Após ser rejeitado por muitas marcas estabelecidas, a principal ambição de Thomas Baillod era demonstrar a viabilidade de seu conceito, lançando sua própria linha de relógios mecânicos de baixo custo. No entanto, sua marca está se estabelecendo no panorama das novas e modernas empresas relojoeiras. O início das operações em Neuchâtel já está presente em cerca de cinquenta países através de sua comunidade de embaixadores.

"No momento, minha preocupação é frear uma explosão descontrolada da demanda. Imagine se a moda pegar nos Estados Unidos: seríamos rapidamente confrontados com dificuldades de entrega", diz Thomas Baillod.

"Esta abordagem é bastante inspiradora para se deixar o modelo de uma indústria de relógios de luxo que agora se destina apenas às grandes fortunas do mundo.”

Hugues Jeannerat, Universidade de Neuchâtel

End of insertion

Crescimento exponencial

Fundada há apenas dois anos, a BA111OD atingiu um faturamento de um milhão e meio de francos em 2021 e espera gerar vendas de cerca de três milhões de francos em 2022. Este crescimento exponencial sugere que a empresa terá um faturamento de 20 milhões de francos até 2025.

O nativo da cidade de Neuchâtel (oeste) também pretende servir de exemplo para outros empreendedores que desejem oferecer belos relógios mecânicos por apenas algumas centenas ou milhares de francos. Estes são segmentos de preços em grande parte negligenciados por uma indústria relojoeira suíça crescentemente voltada ao luxo. Isso tem como corolário uma queda drástica no número de relógios produzidos, chegando a uma redução de 40% apenas nos últimos dois anos.

"Nos anos 1980, Nicolas G. Hayek (o falecido chefe do Swatch Group) ressuscitou a indústria relojoeira suíça, automatizando e racionalizando os custos de produção. Ao enfrentar os custos gerados pelo sistema de distribuição, Thomas Baillod tem uma nova abordagem. Não sei se ele terá sucesso, mas esta abordagem é bastante inspiradora em termos de se distanciar do modelo de uma indústria de relógios de luxo que só atende às grandes fortunas deste mundo", diz Hugues Jeannerat.

Adaptação: DvSperling

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?