Navigation

Como um discreto clube de banqueiros centrais lida com as crises mundiais

A liquidez mundial irá reduzir ao longo de 2022 com o fim das medidas lançadas por diversos bancos centrais no início da pandemia de Covid-19. Keystone / Lm Otero

Os diretores dos bancos centrais mais influentes do mundo se reúnem bimensalmente na Basiléia para trocar informações, reforçar laços pessoais e desembaraçar os detalhes técnicos para manter o dinheiro fluindo ao redor do mundo.

Este conteúdo foi publicado em 04. janeiro 2022 - 10:00
swissinfo.ch

Desde a crise financeira de 2007-2008, os bancos centrais saíram da obscuridade para imprimir trilhões em múltiplas moedas. A pandemia só aumentou sua determinação de comprar grandes parcelas da dívida governamental e de manter as taxas de juros mais baixas, mesmo diante da inflação.

O misterioso clube privado de banqueiros centrais, que diz promover "a estabilidade monetária e financeira global através da cooperação internacional", tem operado a portas fechadas desde que foi formado em 1930. Não há registros públicos de debates ou conversas.

O estatutoLink externo do Banco de Compensações Internacionais (BISLink externo) permite que ele opere como um feudo independente na Suíça tendo em vista que as autoridades suíças não estão autorizadas a entrar em suas portas sem permissão, enquanto seu pessoal desfruta de imunidade legal e de rendimentos livres de impostos. 

"Intransparentes e elitistas"

Dada a importância crescente dos bancos centrais na última década, algumas pessoas acham que isso deveria mudar.

"O BIS é uma instituição intransparente, elitista e antidemocrática, defasada no século 21", diz o jornalista e autor Adam Lebor em seu livro, Tower of Basel (Torre da Basiléia), publicado em 2013. "Ele está moldando o futuro regulatório das finanças globais e exige boa governança, mas seus próprios assuntos estão firmemente escondidos atrás de um matagal de imunidades e proteções legais".

Então, por que a necessidade de sigilo? "Os diretores dos bancos centrais podem ir lá e falar livremente, reclamando de seus ministros das finanças e políticos, sem preocupação de que isso vaze para o público", disse o ex-funcionário do BIS Stefan Gerlach, que agora é economista-chefe do EFG Bank em Zurique.

"As pessoas pensam que esta é uma organização supersecreta que dirige o setor financeiro global, mas é mais um centro de conferências com um banco anexo, que hospeda reuniões informais e confidenciais de banqueiros centrais e reguladores", acrescentou Gerlach. "Ele [o BIS] fornece salas de reunião, pessoal para escrever relatórios de pesquisa e administra os ativos dos bancos centrais, mas não tem personalidade real".

Embora o BIS não tenha poder ou inclinação para estabelecer regras vinculativas, os banqueiros centrais e reguladores se reúnem para acordar políticas de estabilidade financeira e depois voltam para casa para persuadir seus governos nacionais a aplicá-las. A Torre do BIS abriga outros órgãos como o Comitê de Supervisão Bancária da Basiléia e o Conselho de Estabilidade Financeira, que adotaram medidas para tornar o sistema financeiro mais resistente a choques.

Tais deliberações levaram à regulamentação "Basiléia III" no rescaldo da crise financeira de 2008. Essas regras exigem que os bancos comerciais reservem mais fundos para cobrir investimentos de risco.

Salvando economias

"Nosso trabalho ajudou a evitar que a pandemia de Covid-19 se traduzisse em outra crise financeira", disse recentemente o Gerente Geral do BIS Augustin Carstens em uma rara coletiva de imprensa na sede da organização, a chamada Torre do BIS.

O dinheiro impresso pelos bancos centrais tem sido usado para manter o sistema financeiro em funcionamento durante tempos de angústia, e para salvar economias nacionais em expansão, desde a Grécia e Itália até os Estados Unidos. As baixas taxas de juros diminuíram o impacto das dívidas que as empresas ainda devem administrar apesar da perda de renda durante os lockdowns.

Enquanto os bancos centrais estabelecem a política monetária de acordo com as necessidades de cada país, a coordenação também é vital para manter o dinheiro fluindo ao redor do mundo, particularmente durante uma crise. Os bancos centrais atuam como financiadores de último recurso quando os bancos comerciais perdem a confiança uns nos outros.

Como a maioria das finanças internacionais é denominada em dólares americanos, o Federal Reserve dos EUA precisa trocar dólares pelas moedas de outros bancos centrais (incluindo a Suíça) para evitar que os fluxos financeiros sejam interrompidos.

Reunir-se regularmente na Basiléia ajuda neste processo de coordenação.

"É melhor ter uma abordagem cooperativa do que de confronto", disse Carstens.

A escala do experimento de impressão de dinheiro preocupa algumas pessoas. Poderá ele ser revertido com segurança quando as condições econômicas melhorarem? O resultado poderia ser uma inflação incontrolável? Um pico recente nos preços trouxe estas questões à tona.


Riscos "administráveis"

"Diante do Covid-19, que foi inesperado e dramático, teria sido social e politicamente inaceitável para os bancos centrais dizer: 'Dado o risco de que isto não funcione bem, não faremos nada'", disse Carstens.

"Nós precisávamos responder, mas isso não significa que sejamos cegos ou descuidados. Não tem sido fácil, e pode ser mais difícil no futuro, mas os riscos que foram assumidos são administráveis".

Tais argumentos não convencem a todos, inclusive os críticos do Banco Nacional Suíço (SNB). O banco central da Suíça tem enfrentado pressão constante desde que adotou (e mais tarde abandonou) uma indexação do euro ao franco suíço e depois jurou imprimir somas ilimitadas de dinheiro e introduzir taxas de juros negativas.

A decisão súbita de desacoplar o franco do euro em 2015 causou um pandemônio depois de surpreender os mercados. A medida deu novo impulso aos críticos políticos que queriam que o banco central fosse chamado a prestar contas por suas políticas.

Mas os esforços para forçar o SNB a mudar sua política monetária, adicionar mais ouro ao seu balanço patrimonial e assumir o papel de imprimir dinheiro como banco comercial falharam, mesmo nos referendos.

História de sucesso

Enquanto isso, o BIS prossegue serenamente seu trabalho, intocado por disputas locais que envolvem bancos centrais individuais. Gradualmente, o BIS abriu a associação de novos membros para incorporar 63 bancos centrais e opera com mais de 600 funcionários e dois escritórios regionais, em Hong Kong e no México.

O BIS administra os ativos dos bancos centrais, ganhando o título não oficial de "o banco para banqueiros centrais". Através destas atividades, obteve cerca de US$ 1,7 bilhões (CHF1,6 bilhões) em lucros no ano passado a partir desta atividade.

Ele também construiu uma reputação formidável por suas pesquisas detalhadas sobre o mundo das finanças e está criando uma série de centros de inovação ao redor do mundo para se manter a par das mais recentes inovações financeiras, principalmente as moedas criptográficas e as finanças ecológicas.

"É notável que o BIS continua ancorado na Basiléia e não se mudou para Londres ou Nova York", disse Gerlach. "É uma história de sucesso suíço da mesma forma que os britânicos começaram a vir para os hotéis suíços para as férias de inverno há 150 anos".

O que é?

O Banco de Compensações InternacionaisLink externo (BIS) foi criado na Basiléia em 1930 para garantir que a Alemanha pagasse compensações financeiras (reparações) aos vencedores da Primeira Guerra Mundial.

Essa missão foi concluída apenas parcialmente, pois as reparações foram posteriormente abandonadas, com a Alemanha submergindo no caos econômico.

Este início de vida um tanto infeliz, combinado com os indícios de que o BIS tivesse sido flexível às exigências alemãs durante a Segunda Guerra Mundial, levou os Estados Unidos a exigirem que o BIS fosse dissolvido em 1944.

O BIS sobreviveu como uma entidade em grande parte focada na Europa até meados dos anos 90, quando os bancos centrais de outros países, incluindo as economias emergentes, começaram a desempenhar um papel mais ativo.

O BIS é composto de vários comitês: o Comitê de Supervisão Bancária da Basiléia, o Comitê de Pagamentos e Infraestruturas de Mercado, o Comitê do Sistema Financeiro Global, o Comitê de Mercados, o Grupo de Governança do Banco Central e o Comitê Irving Fisher de Estatísticas de Bancos Centrais.

O Conselho de Estabilidade Financeira, a Associação Internacional de Seguradoras de Depósitos e a Associação Internacional de Supervisores de Seguros são independentes do BIS, mas têm secretariados na Torre do BIS.

End of insertion

Adaptação: DvSperling

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?