Navigation

O japonês que conquistou o Eiger através da trilha mais difícil

Quarteto bem-sucedido (da esquerda para a direita): Samuel Brawand, Yuko Maki, Fritz Steuri e Fritz Amatter no retorno a Grindelwald em 11 de setembro de 1921. Grindelwald Museum

Junto com três alpinistas locais, o japonês Yuko Maki conseguiu fazer a primeira escalada do pico Eiger através do chamado Serro Mittellegi em 10 de setembro de 1921. Graças a uma doação de Maki, uma cabana foi construída sobre este cume anos mais tarde. Hoje, ela é utilizada por muitos alpinistas.

Este conteúdo foi publicado em 02. novembro 2021 - 10:00
Mari Eto

Se você olhar da aldeia de Grindelwald para o monte Eiger com seus 3967 metros de altura à noite, você poderá ver atualmente seis luzes ao longo do cume nordeste. Elas marcam as paradas mais importantes até o pico na trilha pelo chamado Serro Mittellegi. 100 anos atrás, mais precisamente em 10 de setembro de 1921, o Eiger foi escalado pela primeira vez nesta rota.

"A primeira descida pelo Serro Mittellegi aconteceu já em 1885", diz Marco Bomio, chefe do museu de história local em Grindelwald, que organizou uma exposição especial como parte das comemorações do aniversário. "Mas a subida foi impossibilitada durante anos por uma escarpa íngreme de 200 metros de altura, quase intransponível".

Foram necessárias 14 tentativas antes que, finalmente, o japonês Yuko Maki realizasse a façanha em 1921. Ele tinha 27 anos de idade na época e foi acompanhado por três escaladores locais: Samuel Brawand (23 na época), Fritz Steuri (42) e Fritz Amatter (47).

Aprendendo com os nativos

O japonês de compleição relativamente pequena chegou a Grindelwald no outono de 1919. Ele se estabeleceu naquela aldeia dos Alpes bernenses, se familiarizou com o espaço montanhoso e sua geografia e história, e estudou detalhadamente o equipamento de montanhismo.

Ele comprou tudo o que precisava em Grindelwald: um par de botas de montanhismo de Eduard Amacher, picaretas de gelo de Christian Schenk e Alfred Bhend e uma mochila de August Kissling.

"Estes artesãos eram muito populares entre os montanhistas da época. Muita gente vinha de muito longe para comprar deles", diz Bomio. O negócio da família Bhend ainda existe, e como um dos últimos ferreiros suíços ainda hoje fabrica picaretas de gelo marteladas à mão.

Maki aprendeu como escalar encostas rochosas cobertas de neve e gelo e também como usar uma corda de escalada com guias de montanha locais como Samuel Brawand e Fritz Steuri. Ele aperfeiçoou sua técnica nas montanhas da região do pico Jungfrau e do Valais. Em seu livro "Sanko", ele descreve Brawand e Steuri como "amigos próximos de escalada".

Finalmente, Maki, Brawand e Steuri decidiram escalar o Eiger através do cume nordeste, o chamado Serro Mittellegi. A última vez que alguém havia tentado isto, 47 anos antes, resultou em um fracasso.

O experiente guia de montanha Fritz Amatter concordou em acompanhar o trio. Uma vez ele havia descido com sucesso do cume através do Serro Mittellegi.

"Os quatro homens se reuniram no jardim do hotel onde Maki estava hospedado e discutiram como ela poderia superar o trecho mais difícil", conta Bomio. "Há uma encosta íngreme a cada poucos metros e quase não há possibilidades de se segurar".

Os alpinistas remendaram com um auxílio de escalada que poderia facilitar sua ascensão. Com base na experiência da Amatter, eles desenvolveram "uma ferramenta especial": uma vara de madeira de cerca de cinco metros de comprimento que tinha um gancho de metal em uma extremidade e três argolas na outra.

Usando uma réplica no museu, Bomio explica como a ferramenta foi utilizada. "Uma pessoa a pressionava contra a face da rocha enquanto a outra escalava a rocha com a corda pendurada no gancho e na vara".

A escalada foi bem-sucedida. Em sete horas, a equipe de alpinistas vencia a parte íngreme de 200 metros de altura e chegava ao cume do Eiger.

A aldeia festejou a façanha e o jornal local "Echo von Grindelwald" de 14 de setembro de 1921 relatou a proeza da Maki em sua primeira página. "Foi a primeira vez que este jornal publicou uma grande história sobre o alpinismo", diz Bomio.

Centenas de turistas

Alguns anos após sua primeira escalada, Maki doou dez mil francos à Associação de Guias de Montanha de Grindelwald para construir uma cabana de montanha no Serro Mittellegi, a 3355 metros acima do nível do mar. A cabana foi inaugurada em outubro de 1924.

A cabana "Mittellegi". Uma placa de cobre feita para o 75º aniversário da primeira subida pende junto à entrada. Grindelwald Museum

Hoje em dia, a cabana sucessora é utilizada ativamente e foi ampliada de 16 para 42 leitos em 2019. "O número de hóspedes depende muito do tempo", diz Bomio. "Em anos bons, cerca de 1000 pessoas vêm aqui. Nesta estação serão menos hospedes, talvez entre 400 a 600".

A cabana Mittellegi aumentou o número de pessoas que escalam o Eiger através do Serro Mittellegi. "A cabana tornou a subida mais fácil e mais confortável, no passado você só podia bivacar lá", diz Bomio.

Uma das primeiras montanhistas a passar pela cabana foi Klara Amatter, filha de Fritz Amatter. Em 1926, ela foi a primeira mulher a escalar o Eiger através do Serro Mittellegi, sendo que esta foi a primeira escalada bem-sucedida por este caminho depois de 1921.

Hoje, a cabana Mittellegi original está exposta ao ar livre como parte da coleção do museu na trilha para caminhadas "Jungfrau Eiger Walk", entre as estações Eiger Glacier e Kleine Scheidegg

Uma recomendação escrita em japonês por Yuki Maki no "Führerbuch" de Samuel Brawand após sua primeira ascensão juntos em 1921. Grindelwald Museum

"Um verdadeiro embaixador"

Maki ajudou a aldeia de Grindelwald e seus guias de montanha a ganhar fama internacional e garantiu que ainda mais montanhistas japoneses visitassem a aldeia de montanha.

“Maki tinha grande confiança em seus guias, especialmente em Samuel Brawand”. Maki escreveu no “livro de hóspedes” de Brawand: "A todos aqueles que me seguirem, recomendo de todo o coração o Sr. Brawand".

Hoje, o livreto Brawand contém os nomes de 17 montanhistas japoneses, incluindo o Príncipe Chichibu, um membro da família imperial conhecida no Japão como o "Príncipe Esportivo". "Acho que Maki teve um impacto positivo no turismo em Grindelwald em geral e se tornou um verdadeiro embaixador de nossa aldeia".

Adaptação: DvSperling

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?