Navigation

Credit Suisse nega esconder ativos de oligarcas

© Keystone / Walter Bieri

O banco suíço Credit Suisse diz que um pedido aos investidores para destruir certos documentos não está "de forma alguma ligado à recente implementação de sanções adicionais" sobre a Rússia.

Textos traduzidos automaticamente de EN.
Este conteúdo foi publicado em 04. março 2022 - 10:14
Keystone-SDA/dos

A declaração do Credit SuisseLink externo vem após uma reportagem do Financial Times no início desta semana, alegando que o banco enviou cartas aos investidores solicitando a destruição de documentos relacionados à securitização de empréstimos apoiados por "jatos, iates, bens imobiliários e/ou ativos financeiros".

O Financial Times havia reveladoLink externo no mês passado que um grupo de fundos hedge tinha assumido parte do risco de inadimplência relativo a empréstimos do Credit Suisse no valor de US$2 bilhões (CHF1,84 bilhões) a "oligarcas e magnatas".

Nesta reportagem, o jornal disse que 12 inadimplências em tais empréstimos de iates e aviões em 2017 e 2018 estavam "relacionadas com sanções dos EUA contra oligarcas russos".

Um artigo nesta semana alegava que o banco tinha pedido mais tarde aos investidores que destruíssem documentos relacionados com o negócio.

O artigo prosseguiu dizendo que "vários investidores que transmitiram o negócio disseram que suas preocupações em torno da transação só aumentaram após a série de sanções impostas recentemente às oligarcas russas".

A prática do mercado

No entanto, na sua resposta de quinta-feira, o Credit Suisse disse que o pedido enviado aos investidores para destruir documentos era devido a um acordo de não divulgação consistente com a "prática do mercado".

"Relembrar as partes para destruir informações confidenciais é uma boa gestão interna e uma boa higiene dos dados". A transacção e o pedido aos investidores não participantes para destruir dados confidenciais não estão totalmente relacionados com o conflito em curso na Europa de Leste".

O banco também disse que os dados em questão não continham detalhes de clientes, e estava preocupado apenas com "estatísticas de carteira e modelagem de desempenho relacionadas às posições do balanço subjacente".

Também disse que nenhum dado de cliente tinha sido apagado dentro do próprio banco.

Caso jurídico

A declaração também veio depois que um deputado socialista suíço, Carlo Sommaruga, levantou a questão ao gabinete do procurador-geral, pedindo uma investigação sobre as informações contidas no artigo do Financial Times .

Sommaruga alega que se as reportagens do jornal forem precisas, então o Credit Suisse pode ter agido para esconder certos bens pertencentes aos oligarcas russos, para ajudá-los a evitar as recentes sanções internacionais.

Na segunda-feira desta semana, e após alguma hesitação inicial, a Suíça aderiu às sanções da União Europeia contra bancos e indivíduos russos que visam enfraquecer a economia russa após a sua invasão da Ucrânia.

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?