Navigation

Como combater mentiras e propaganda em zonas de guerra

A jornalista Marina Ovsiannikova exibiu esse cartaz durante a transmissão ao vivo do mais importante programa de notícias da TV estatal russa em 14 de março de 2022: "Fim da guerra. Não acredite em propaganda. Você está sendo enganado aqui. Os russos são contra a guerra". Keystone / Dsk

A informação é uma arma poderosa. Na guerra entre Rússia e Ucrânia, como em muitos conflitos atuais, a verdade se tornou um alvo mais fácil do que nunca graças às tecnologias digitais. Especialistas em manutenção da paz, explicam o que está por trás do caos da informação e como recuperar os fatos.

Este conteúdo foi publicado em 22. março 2022 - 10:00

Semanas antes dos primeiros mísseis russos atingirem as cidades ucranianas, o Kremlin fez uma série de alegações sobre o governo em Kiev. As forças ucranianas, disse a televisão russa patrocinada pelo estado, estavam cometendo genocídio nas regiões separatistas de Donetsk e Luhansk ao longo da fronteira russa. Para ajudar a pintar a Ucrânia como o agressor, vídeos manipulados de supostas vítimas foram difundidos nas mídias sociais.

Uma vez iniciada a invasão, a ofensiva de desinformaçãoLink externo tomou um grande impulso. Relatos pró-russos no aplicativo fechado de mensagens Telegram divulgaram falsas notícias de que o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky havia fugido do país. Então, dez dias depois da guerra, os legisladores russos aprovaram uma lei de "notícias falsas" que obrigou a mídia independente e os jornalistas estrangeiros na Rússia que não seguem as narrativas do Kremlin a suspenderem seus trabalhos.

"Este é o guia operacional:  abordar de ângulos diferentes [e] criar uma atmosfera de caos e confusão", disse Emma Baumhofer, especialista da ong SwisspeaceLink externo.

A propaganda tem sido uma característica da guerra há muito tempo, pois os adversários tentam ganhar corações e mentes, assim como batalhas. Mas com a mídia social, a internet e os smartphones, os lados beligerantes podem agora armar a informação com relativa facilidade, velocidade e alcance. À medida que a desinformação se espalha online e depois se torna offline, um "ambiente de informação complexo", como Baumhofer o chama, se estabelece, tornando difícil distinguir fatos da ficção.

Agravando crises da Ucrânia até a África

Como os russos, o lado ucraniano contribuiu para a guerra da informação com sua própria campanha de propaganda. As autoridades afirmaram, por exemplo, que o número de fatalidades entre os soldados russos é muito maior do que as estimativas do serviço de inteligência dos Estados Unidos ou do que os números divulgados pelo Kremlin. Eles até desfilaram alegados prisioneiros de guerra perante a imprensaLink externo.

Um ator em qualquer guerra deseja enfatizar seus sucessos para motivar as tropas, como aponta Julia Hofstetter do think-tank suíço ForausLink externo.

"Em muitos conflitos, a desinformação digital é usada para mobilizar apoio dentro de sua própria população, desestabilizar o inimigo ou descarrilhar um processo de paz", disse Hofstetter, especialista em cibernética.

Em alguns casos, civis, atores não-estatais e até mesmo outros governos entram na guerra da informação. Na Ucrânia, cidadãos comuns têm postado vídeos nas mídias sociais que são difíceis de verificar e pretendem mostrar os soldados russos capturados. Os hackers voluntários atacaram os sites do governo russo e a mídia estatal em um esforço para ferir a máquina de propaganda do país. De forma impressionante, disse Baumhofer, os EUA publicaram algumas de suas próprias informações para minar as narrativas pré-invasão da Rússia.

Mas a interferência em conflitos no exterior não é novidade, sobretudo para a Rússia. Durante anos, o país tem usado muitas das mesmas estratégias de desinformação vistas na guerra atual, disse Baumhofer. Um exemplo está na República Centro-Africana (RCA). Pesquisadores do Instituto da Paz dos Estados Unidos descobriram que o aumento da violência após eleições contestadas na RCA no final de 2020 "coincidiu com notícias falsas e propaganda que se pensava serem originárias da Rússia e da França".

Conteúdo externo

Segundo Nicolas Boissez, porta-voz da Fundação Hirondelle, a Rússia quer ampliar sua influência no país africano, onde os combates entre forças governamentais e grupos armados não estatais aumentaram no último ano. A desinformação tornou-se uma característica importante em situações de tensão política e de segurança, acrescentou Boissez.

Contra-atacando com fatos

O impacto da desinformação nas pessoas do país é "significativo [e] acentua a crise de segurança e enfraquece ainda mais o trabalho dos atores envolvidos na construção da paz", escreveLink externo Hirondelle.

A ONG com sede em Lausanne passou mais de 25 anos apoiando a mídia independente e treinando jornalistas em países envolvidos em crises com a ideia de que o jornalismo baseado em fatos pode contribuir para a paz. Seu trabalho na RCA mostra um pouco do que pode ser feito para combater a desinformação.

"O núcleo de nossa resposta é fornecer às pessoas os fatos e explicar esses fatos da maneira mais simples possível [e] em uma linguagem que elas entendam", disse Boissez. "Nós nos concentramos em informações que estejam próximas de suas preocupações diárias e criamos um vínculo de confiança dessa forma".

Há dois anos, a ONG lançou uma campanha para combater a desinformação junto com a Rádio Ndeke LukaLink externo (RNL), que ela fundou em 2000. Isto incluiu a criação de uma unidade de verificação de fatos na estação, agora o meio de comunicação mais popular do país. O trabalho dos verificadores de fatos é transmitido na RNL, assim como em estações parceiras, na web e na mídia social, para alcançar o maior número de pessoas possível.

A verificação também tem se destacado na guerra da Ucrânia. Antes mesmo do início da invasão, jornalistas e organizações da sociedade civil como a Bellingcat usaram ferramentas de inteligência online de código aberto (OSINT) para desmascarar imagens e vídeos afirmando mostrar a agressão ucraniana, revelando brechas no pretexto da invasão russa. O próprio Zelensky compartilhou vídeos filmados em um smartphone no qual ele refuta as alegações russas.

Mas a verificação de fatos e o apoio à mídia independente não são as únicas formas de combater a desinformação.

"Ser confrontado com os fatos não é suficiente para mudar a opinião das pessoas", disse Baumhofer. "Temos que enfrentar as causas fundamentais [que] estão alimentando a vulnerabilidade à desinformação".

No CAR, Hirondelle convocou formadores de opinião como artistas e músicos para aparecerem em eventos públicos destinados a aumentar a conscientização sobre "notícias falsas" e como evitar se tornarem agentes de desinformação.

Informação incorreta ou desinformação?

De acordo com um glossárioLink externo estabelecido pela rede sem fins lucrativos First Draft, a desinformação é informação falsa criada ou compartilhada deliberadamente para causar danos. A informação incorreta é informação falsa que não se destina a causar danos, tal como informação inadvertidamente compartilhada por pessoas que não sabem que a informação é falsa.

End of insertion

Mas tanto Hofsetter quanto Baumhofer também veem a necessidade da alfabetização digital, especialmente para ajudar as pessoas presas em um blecaute de notícias. Na Rússia, onde o governo restringe o acesso ao Twitter e ao Facebook, milhares de pessoas têm usadoLink externo uma VPN (rede virtual privada) para procurar outras fontes de notícias. No entanto, a maioria das pessoas não está ciente desta opção ou de como ela funciona, disse Baumhofer.

Mas tanto Hofsetter quanto Baumhofer também veem a necessidade de alfabetização digital, especialmente para ajudar as pessoas presas em um blecaute de notícias. Na Rússia, onde o governo tem acesso restrito ao Twitter e ao Facebook, centenas de milhares de pessoas têm usado uma VPN (rede virtual privada) para procurar outras fontes de notícias. No entanto, a maioria das pessoas não está ciente desta opção ou de como ela funciona, disse Baumhofer.

Pressão sobre gigantes da tecnologia 

A área mais crítica para a mudança, no entanto, é a mídia social, devido ao papel de grande porte que desempenha na divulgação de "notícias falsas" e informações verificadas.

Os moderadores da plataforma têm estado particularmente alertas nesta guerra, e a atenção da mídia internacional pode ser um fator, especula Hofsetter do Foraus. Google, Twitter e Meta, a empresa matriz do Facebook, foram rápidos em bloquear os canais televisivos russos RT e Sputnik, duas empresas patrocinadas pelo Estado que foram impedidas de transmitir na União Europeia logo após o início da invasão. Twitter e Facebook também suspenderam ou removeram contasLink externo por violar os termos de uso.

Mas isto é um desvio do histórico das empresas de tecnologia. Na maioria dos conflitos, elas não fizeram o suficiente para impedir o discurso do ódio e a desinformação, disse Hofstetter, em parte porque as empresas estão relutantes em investir recursos no monitoramento de conteúdo em idiomas locais em países que não são considerados grandes mercados-alvo.

Nos piores casos, a falta de resposta das grandes tecnologias tem levado a uma violência mortal. Um relatório independenteLink externo descobriu que o Facebook criou um "ambiente propício" para a violência contra a população Rohingya em Mianmar em 2017, já que o discurso de ódio contra a comunidade proliferou sem controle no site.

"As plataformas estão realmente contribuindo para o conflito devido à forma como são construídas", disse Baumhofer. "Elas tendem a recompensar o comportamento ultrajante e a raiva, porque é o que tem mais repercussão".

Tecnologia para a paz

O aproveitamento da tecnologia digital para promover a paz é um campo em expansão, de acordo com Julia Hofstetter do grupo suíço de reflexão Foraus. Grupos da sociedade civil estão usando a inteligência de código aberto (OSINT) para desmascarar a desinformação enquanto mediadores estão confiando em plataformas de crowdsourcing para tornar a construção da paz mais inclusiva.

Mas o maior potencial, disse ela, está no fortalecimento das comunidades, dando às pessoas a possibilidade de se organizarem em nível de base, documentar crimes de guerra e compartilhar suas histórias com a comunidade internacional simplesmente usando seus smartphones.

Como os pesquisadores que trabalham com imagens da guerra síriaLink externo estão mostrando, a tecnologia agora existe para verificar o material gerado pelo usuário e arquivá-lo para o futuro julgamento de crimes de guerra, o que potencialmente dá às vítimas uma chance de fazer justiça.

End of insertion

Baumhofer sugere que os construtores da paz poderiam trabalhar com plataformas "para torná-los lugares de discussão mais pacíficos". Sua experiência com mediação e busca de pontos em comum entre comunidades divididas, por exemplo, poderia ser aproveitada para ajudar esses sites a fazerem mudanças fundamentais, de modo que eles realcem os pontos em comum entre os usuários em vez de polarizá-los.

O resultado é manter a pressão sobre as empresas de tecnologia para que façam mais em todas as situações de conflito. Afinal de contas, a guerra na Ucrânia não é seu primeiro contato com desinformação em tempo de guerra.

"Cada conflito apresenta um novo cenário", disse Baumhofer, "mas poderíamos ter nos preparado melhor".

Adaptação: DvSperling

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?