Navigation

A nação formada por livre vontade tem de aceitar seus filhos

"Quando você é uma criança, não se percebe direito as coisas. Você pensa que faz parte do grupo", afirma Përparim Avdili. © Thomas Kern/swissinfo.ch

Por ocasião do Dia Internacional da Democracia, apresentamos duas pessoas comprometidas com a participação política na Suíça: o político liberal do Partido Liberal Democrático (FDP, na sigla em alemã) Përparim Avdili acredita no desempenho individual – e é precisamente por isso que ele defende uma naturalização e o direito de voto mais acessíveis aos estrangeiros.

Este conteúdo foi publicado em 15. setembro 2022 - 11:00

Os outros convidados falam sobre cuidado e autorrealização nas horas vagas. As conversas casam bem com o pátio do galpão desta fábrica convertido em café. Nesse ambiente, Përparim Avdili utiliza um vocabulário que muitos políticos na Suíça guardam para discursos no 1º de agosto, Dia Nacional da Suíça.

"A Suíça é uma nação por vontade. Não nos definimos por etnia ou língua. Mas sobre a vontade de ansiar juntos pela liberdade e democracia", diz ele. Na cidade de Zurique, um terço da população não possui a nacionalidade suíça. Na média suíça, mais de 25% - 2,24 milhões de pessoas. "Entre eles estão também muitos que nunca viveram noutro lugar que não a Suíça", reafirma Avdili. Seu país de residência deveria mostrar mais boa vontade para com eles, exige ele, e perguntar-lhes: "Querem tornar-se suíços?"

Suíça, país de imigração

Avdili está na casa dos 30 e poucos anos, parlamentar local, banqueiro, presidente do FDP na cidade de Zurique. Ele acredita na liberdade, na propriedade privada e na realização individual. Estes são os valores do seu partido, e lhe foram igualmente passados em casa. É exatamente por isso que ele está tão fortemente envolvido em questões de política migratória. Avdili está convencido de que a meritocracia só pode existir se a sociedade criar igualdade de oportunidades.

A Suíça é um país de imigração. "Quem afirmar o contrário não sabe lidar com fatos". A Suíça tem um interesse econômico na imigração porque sofre de uma escassez crônica e crescente de trabalhadores qualificados. Mas como nação por vontade, tem também um interesse idealista na integração das pessoas. Porque isso impede a formação de sociedades paralelas, o que apenas permite a identificação com o Estado e os valores partilhados.

Më voto: você pode votar em mim em albanês. Com essa frase, Përparim Avdili procurou convencer os eleitores. © Thomas Kern/swissinfo.ch

"Quando se é criança, pensa-se que se é como todo mundo."

Quando criança, Avdili brincava no então já vazio galpão da fábrica que é agora o café em frente ao qual estamos sentados. Ele cresceu neste distrito periférico da cidade de Zurique e aqui permaneceu até os dias de hoje. Os pais de Avdili imigraram da Iugoslávia socialista nos anos 80. "Quando criança, não se percebe que não mais está lá. Pensa que é como todo mundo". Com isso, Avdili entende o documento que atesta a filiação à Suíça: o passaporte. Quando se tratava de procurar um aprendizado, a história que circulava na escola era de que é mais fácil encontrar um local de formação se se tivesse a cidadania suíça.

"Na época, achei isso engraçado", diz ele. Mas ele não se deixou intimidar: aos 16 anos, submeteu-se ao processo de naturalização; pouco tempo depois, começa a engajar-se politicamente. "Sempre me interessei muito pela política", diz Avdili. Agora, como adulto, como suíço, ele diz: "A sociedade deve fazer uma proposta àqueles que cresceram aqui".

Campanha eleitoral em albanês

O político Përparim Avdili causou sensação quando ainda não estava no cargo. Sete anos atrás, candidatou-se às eleições pela primeira vez. Seu panfleto, seu vídeo de campanha, um evento dirigido à comunidade de língua albanesa: "Më voto" ("Vote em mim"). Isso lhe trouxe atenção e críticas: "Quem pode votar, tem o direito à cidadania. Quem tem direitos civis pode falar a língua nacional".

Tratava-se, é claro, de publicidade eleitoral entre cidadãos suíços de origem albanesa. Mas ele também queria deixar claro à comunidade que eles estão politicamente inclusos. "Já politizei algumas pessoas", diz Avdili.

No momento, os direitos políticos estão ligados à cidadania em quase toda a Suíça. E assim organizado de acordo com o princípio da exclusão: os obstáculos de entrada são elevados. Aqueles que querem a cidadania têm de apresentar dez anos de residência no país, cinco anos na mesma comunidade, incorrer em custos de milhares de francos suíços, passar nos exames – e em alguns cantões até comparecer perante a assembleia municipal – como se fosse para uma avaliação. Aqueles que já estão dentro decidem. Sim ou não.

Direito de voto de estrangeiros

Aqueles que passaram por este processo pensam muitas vezes: por que os outros deveriam ter o que tenho de maneira diferente? Essa é a razão pela qual muitos cidadãos naturalizados tornam-se críticos à redução de exigências ou mesmo ao direito de voto para estrangeiros, diz Avdili. Ele, por outro lado, vê o direito de voto aos estrangeiros a nível comunitário como uma forma de integrar as pessoas na Suíça.

"Quem quiser dispor dos princípios da constituição federal tem de ser suíço. Isso é apenas a atitude básica comum neste país". As questões a nível comunitário, por sua vez, seriam encontradas por todas as pessoas na sua vida quotidiana, independentemente do seu passaporte: um novo estádio, uma nova escola ou um limite de velocidade de 30 quilômetros por hora.

Ele vê o direito de voto dos estrangeiros como um convite da Suíça a todos os concidadãos e concidadãs para se tornarem parte da democracia. Eles já fazem parte da sociedade: "Têm filhos na escola, são ativos em clubes. Mas eles também contribuem financeiramente por meio de impostos". Após cinco anos de residência no mesmo local, que é quando se abre para Avdili a porta de entrada para a participação política, muitos deles já contribuíram com bastante impostos.

"Em minha compreensão acerca da democracia, o processo político é melhor quando o maior número possível de pessoas nele participa", diz Avdili. Ele fala muito rapidamente, mas agora faz uma pausa, como se estivesse pensando em voz alta. "Na verdade, essa poderia ser a atitude comum de todos os partidos".

Questão de esquerda ou direita?

Ele próprio advoga essa posição "bastante liberal" sobretudo em seu próprio partido. Mas os políticos de esquerda teriam também um trabalho de convencimento para fazer, diz ele. O Partido Socialista (SP, na sigla em alemão) e os Verdes são a favor do direito de voto para os estrangeiros, pelo menos no âmbito partidário. Mas Avdili coloca um ponto de interrogação sobre os eleitores de esquerda. Quando o cantão de Zurique se decidiu pelo direito de voto municipal para estrangeiros há quase dez anos, a cidade de Zurique era também contra. "E normalmente votam vermelho-verde".

© Thomas Kern/swissinfo.ch

O cantão de Neuchâtel conhece o direito de voto dos estrangeiros, nos limites da comunidade local, desde 1849, onde a participação comunal é tão antiga e normal quanto no estado federal suíço. Avdili não ousa fazer uma previsão para Zurique. Diz ele: "Confio nas pessoas para avançarem nesta questão, basta lhes falarmos de valores". Ainda mais importante para ele é que a Suíça dê as boas-vindas aos seus filhos. "Espero uma prova de integração por parte daqueles que imigram como adultos. Mas não de crianças que crescem aqui".

Adaptação: Karleno Bocarro

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?